11:41 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Major-general do exército dos EUA, Jamie Jarrard (à esquerda), agradece comandante Muhammed Abu Adeel durante uma visita ao norte da Síria, em fevereiro de 2018

    Para especialista, Washington pretende 'tirar proveito do drama sírio'

    © AP Photo / Susannah George
    Oriente Médio e África
    URL curta
    340

    Recentemente, Donald Trump assegurou que os EUA deixariam a Síria "muito em breve". Em uma entrevista à Sputnik, o professor da Academia de Diplomacia junto do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Aleksandr Vavilov, frisou que esta ideia do presidente está sendo promovida enquanto o Pentágono planeja o contrário.

    Ao discursar no estado de Ohio, o líder estadunidense voltou a afirmar que os EUA sairiam do território sírio "muito em breve" e desejou "que outros tratem disso [da situação na Síria]".

    Comentando esta declaração, a representante oficial do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, disse que não dispõe de nenhumas informações sobre supostos planos para "sair da Síria".

    Mais tarde, o canal NBC, ao citar uma fonte da administração da Presidência, comunicou que Trump "esteve relutante" em concordar com o prolongamento por algum tempo da presença do contingente norte-americano na Síria.

    Já o senador russo Aleksei Pushkov assinalou que os planos do presidente dos EUA podem não se realizar devido às relações tensas entre o chefe da Casa Branca e sua equipe.

    "Trump afirmou que quer retirar as tropas da Síria, mas não está certo que o faça. Ele também quer normalizar as relações com a Rússia, mas não está certo que o consiga. Querer e conseguir fazer são coisas diferentes. Às vezes, as intenções ultrapassam as capacidades — especialmente quando uma parte da administração estadunidense se opõe ao presidente", escreveu o deputado no seu Twitter.

    Em uma entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista Aleksandr Vavilov frisou que, ao fazer tais declarações, o líder norte-americano está de fato cumprindo as promessas dadas ainda no âmbito da corrida presidencial.

    "Na época, ele disse que sua política seria 'unpredictable', ou seja, imprevisível. Isso é o que está agora acontecendo na prática. Prever ou prognosticar seus próximos passos não será uma tarefa fácil. Ele começou a promover sua ideia sobre retirada das tropas estadunidenses da Síria quando o Pentágono já estava completamente envolvido no plano que prevê, pelo contrário, o reforço do contingente estadunidense na região", explicou.

    Desse modo, realça o analista, a declaração do presidente deixou os militares estupefatos, mas, pelo visto, funcionaram as "molas internas" que fizeram Trump afirmar que "por enquanto não iriam sair, mas não ficariam por muito tempo".

    "Caso eles cheguem a se retirar, eles o farão de modo bem lento, pois querem ‘tirar proveito' do drama sírio, isto é, ganhar posições geopolíticas e se consolidar na região. Por isso, a intenção de 'largar tudo e sair' da Síria está presente apenas nos discursos de Trump, na realidade a prática prova o contrário", resumiu Vavilov.

    Mais:

    Príncipe saudita crê que presença militar dos EUA na Síria é necessária
    Mídia: Trump congelou fundos destinados à restauração da Síria
    Fora 'forças ocupantes': Síria pretende dar resposta a EUA e Turquia
    Tags:
    presença militar, operação militar, Heather Nauert, Donald Trump, Aleksei Pushkov, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik