09:59 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Caminhão militar levando míssil iraniano Sejil durante desfile militar realizado em Teerã em 2016

    Israel diz que impedirá construção de fábricas de mísseis iranianos na Síria e no Líbano

    © AFP 2018 / CHAVOSH HOMAVANDI / AFP
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11813

    Tel Aviv não deixará o Irã desenvolver ou construir fábricas para a produção de mísseis na Síria ou no Líbano, uma vez que esses projéteis poderiam ser usados contra Israel, segundo afirmou nesta terça-feira o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em visita a Washington.

    "Além de mover seu Exército, sua Força Aérea e sua Marinha para a Síria, a fim de atacar Israel de mais perto, ele [o Irã] também está querendo desenvolver e construir fábricas de mísseis guiados de precisão na Síria e no Líbano, contra Israel. Eu não vou deixar isso acontecer", afirmou Netanyahu durante a Conferência de Políticas do Comitê Americano-Israelense de Assuntos Públicos.

    Na última semana, a mídia dos Estados Unidos relatou que recentes fotos de satélite demonstraram que Teerã teria construído uma base perto da capital síria, Damasco, de onde possíveis mísseis de curto e médio alcances poderiam atingir o Estado de Israel. 

    O Irã tem apoiado o governo sírio na luta contra grupos terroristas ao longo dos sangrentos conflitos que se arrastam na Síria desde 2011. Como parte desse apoio, Teerã enviou diversos conselheiros militares para o país com o objetivo de treinar as tropas leais a Damasco. No entanto, Israel, outra potência militar da região, considera as atividades iranianas uma ameaça à sua segurança. 

    Mais:

    Israel promete impedir presença militar do Irã na Síria
    A despeito do desejo dos EUA, França declara intenção de manter acordo nuclear com Irã
    Irã exige que EUA e Europa se desfaçam de armas nucleares e de mísseis
    Netanyahu viaja para os EUA e promete discutir Irã com Trump
    Tags:
    mísseis, Benjamin Netanyahu, EUA, Líbano, Síria, Israel, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik