03:36 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Armas

    Morte misteriosa de finlandês negociante de armas em Uganda vira verdadeiro suspense

    CC BY 2.0 / M&R Glasgow / Gun Show
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 10

    A morte misteriosa de um empreendedor finlandês em Uganda, envolvendo documentos falsificados e drogas, tomou um rumo ainda mais confuso quando o repórter investigativo que publicou a história teria sido raptado por seguranças locais.

    A morte de um comerciante de armas finlandês em um hotel na capital ugandesa de Kampala provocou fortes debates no país nórdico. Além de circunstâncias obscuras da morte, o incidente levantou preocupações sobre exportações de armas "antiéticas", pois o homem agiu em nome da maior produtora de armas finlandesa, segundo informa o jornal Hufvudstadsbladet.

    Posteriormente, o homem foi identificado como um consultor externo visitando Uganda para promover a empresa finlandesa, majoritariamente estatal, Patria.

    Segundo Luke Owoyesigyire, representante da polícia, o finlandês recebeu um convite do chefe do Serviço de Segurança Interna de Uganda, coronel Frank Bagyenda Kaka, que mais tarde provou ser um impostor. O empreendedor finlandês depois foi encontrado morto em seu quarto de hotel, onde drogas também teriam sido encontradas. No entanto, a polícia ainda não conseguiu determinar se a morte foi causada por drogas ou por violência externa.

    O diretor executivo da Patria, afirmou que a Finlândia não pretendia vender armas à Uganda, pois para isso é preciso primeiro realizar uma análise de segurança. Uganda está incluído na lista do movimento Transparência Internacional que compreende países violando direitos humanos e é considerado um dos Estados mais corruptos do mundo.

    O cenário criminoso não parou nisso. O jornalista ugandense Charles Etukuri sugeriu em sua matéria que os serviços de segurança de Uganda podem estar envolvidos na morte do finlandês e após isso ele foi raptado.

    De acordo com o jornal New Vision, Etukuri foi "arrastado por homens com uniforme militar". O ministro da Segurança Nacional de Uganda, Henry Tumukunde admitiu que o jornalista estava preso, mas descartou o sequestro, informou a edição finlandesa Yle.

    Nos últimos anos, a Patria tem enfrentado uma série de escândalos envolvendo acusações de frauda na venda de armas à Eslovênia, Croácia e Egito.

    Mais tarde, a Patria também admitiu ter vendido 40 veículos blindados aos Emirados Árabes Unidos, que estão envolvidos na guerra contra rebeldes houthis no Iêmen.

    Tags:
    venda de armas, morte, escândalo, Uganda, Emirados Árabes Unidos, Noruega, Iêmen, Finlândia, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik