19:23 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Grupo aéreo militar russo na base aérea de Hmeymim na Síria (foto de arquivo)

    'Ataque de drones contra bases russas na Síria é sinal muito perigoso para todo o mundo'

    © Sputnik / Dmitry Vinogradov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    12274

    De acordo com o major-general Aleksandr Novikov, chefe do Departamento de Construção e Desenvolvimento de Sistemas de Drones do Estado-Maior russo, os militares russos conseguiram repelir um ataque de veículos aéreos não tripulados contra a base militar russa na Síria graças aos sistemas existentes de monitoramento e repressão.

    "Vale destacar que o Ministério da Defesa da Rússia efetua o monitoramento permanente do uso de todos os tipos de armamentos e equipamentos militares por militantes na Síria e elabora medidas de resistência adequadas. Isso diz respeito também aos veículos aéreos não tripulados", afirmou o major-general Aleksandr Novikov, citado pelo Estado-Maior russo.

    O general sírio na reserva Turki al Hasan conversou com a Sputnik Árabe e comentou o recente ataque dos terroristas contra duas estruturas militares russas.

    De acordo com ele, já faz muito que os radicais usam drones na guerra contra os militares sírios e a população civil. Entretanto, no ataque contra a base russa foram usados dispositivos avançados com os quais só especialistas e engenheiros qualificados sabem lidar.

    Turki al Hasan compartilha a opinião difundida de que os EUA e a Ucrânia desempenharam um papel significativo neste ato de agressão.

    "Estes drones foram fabricados nos EUA. No que se trata da Ucrânia, que culpa a Rússia de tudo, é precisamente Kiev que ao longo dos últimos 7 anos fornece armas aos terroristas na Síria. As armas ucranianas chegam aos militantes tanto diretamente como através de países terceiros", assegurou.

    Quanto à hipótese dos drones serem usados contra a população civil, o assessor do secretário-geral das Forças Democráticas da Síria (FDS), Saad al Quseir, disse à Sputnik que os terroristas já muitas vezes usaram aparelhos semelhantes nos ataques contra os civis. Isto se faz para criar uma impressão de que as ações são da Força Aérea síria e não dos terroristas.

    "Tenho a certeza de que as constantes informações nos sites falsos da oposição síria que falam da morte de civis na sequência dos ataques aéreos são resultado de ataques terroristas efetuados por drones. Estes veículos, lançados por terroristas, transportam explosivos que matam cidadãos sírios", acrescentou.

    Outro especialista em agrupamentos armados, Hassam Shaib, afirmou que "o ataque de drones contra as bases miliares russas na Síria é um sinal muito perigoso para todo o mundo. Isto representa uma ameaça para todos, e os países que combatem o terrorismo devem levar isso em consideração e tomar as medidas adequadas". Ele destacou também que o recente ataque revelou o vasto apoio prestado aos terroristas.

    O engenheiro de navegação sírio Said Masri explicou à Sputnik que para lançar e manejar cada drone é preciso não somente uma pessoa, o operador, mas também um roteiro, um mapa com todas as coordenadas necessárias e o possível curso da operação.

    Na noite para 6 de janeiro, a base aérea russa de Hmeymim, na Síria, e o posto de manutenção técnica no porto de Tartus foram sujeitos a um ataque de 13 drones. De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, eles foram lançados a partir da zona de desescalada de Idlib. Ademais, os militares russos comunicam que, durante o ataque, no espaço aéreo dessa zona teria estado um avião de reconhecimento estadunidense.

    Mais:

    Avião de reconhecimento dos EUA sobrevoava bases russas na Síria durante ataque de drones
    'Ataque de drones na Síria é nova página na história do terrorismo internacional'
    Ministério da Defesa russo: posição do Pentágono sobre drones de terroristas é preocupante
    Tags:
    ataque aéreo, aviões, drones, Ministério da Defesa (Rússia), Estado-Maior, Ucrânia, EUA, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik