23:22 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Forças sauditas no Iêmen

    Opinião: Guerra no Iêmen pode levar a Arábia Saudita ao mesmo destino dos EUA no Vietnã

    © REUTERS / Faisal Al Nasser/Files
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5190

    Manipulados com armas de alta tecnologia dos EUA, os ataques em curso da Arábia Saudita contra o Iêmen não estão produzindo os resultados que Riade imaginou, uma vez que uma resistência armada dos houthis se recusa a se submeter e aumenta a discordância global pelo que a ONU está chamando de "pior crise humanitária do mundo".

    Enquanto o Iêmen, o país mais pobre do Oriente Médio, está sob um ataque militar de três anos em curso pela Arábia Saudita e seus aliados, a comunidade mundial observa alarmada o maciço surto de cólera maciço e a fome generalizada matarem milhares de crianças.

    "O Iêmen transformou-se em um Vietnã para a Arábia Saudita", disse o principal assessor do governo iraniano Ali Akbar Velayati, citado pelo Financial Tribune.

    A invasão liderada pelos sauditas acabará "assim como os americanos sofreram uma derrota no Vietnã, apesar de estarem totalmente equipados. [Eles foram] forçados a retirar-se do sudeste asiático humilhados", afirmou o ex-candidato presidencial iraniano.

    A execução do ex-presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh revelou, no entanto, que lutadores iemenitas não negociarão com a monarquia saudita e não aceitarão nada menos do que uma cessação completa das hostilidades e a retirada das forças de Riade da nação sitiada.

    As consequências do assassinato

    Após a impressionante execução de Saleh, Riade esperava que a organização rebelde capitulara, mas a Arábia Saudita e seus estados-satélite parecem ter sido pegos de surpresa pela obstinada resistência Houthi. Os recursos sauditas da inteligência, apoiados pela rede de vigilância global dos EUA, foram incapazes de prever o crime.

    Apesar da crise humanitária do Iêmen, a Arábia Saudita e seus aliados continuaram uma campanha de bombardeio punitiva na nação que, no entanto, não conseguiu parar a facção de resistência armada e intensificou o sofrimento civil e a condenação global, de acordo com o The New York Times.

    A capital do Iêmen, Sanaa "é testemunha dos piores dias em termos de situação humanitária, psicológica, militar e política, e a ansiedade está pairando sobre todos", informou o jornalista iemenita Asem Alshamiri.

    Durante um recente discurso televisivo marcando mil dias desde o início da campanha de bombardeio saudita, o líder do movimento Ansarullah do Iêmen, Abdul Malik Al-Houthi, declarou que os iemenitas nunca se renderiam.

    "Os inimigos não poderão tirar nossa liberdade e enfraquecer nossa força de vontade", afirmou o líder religioso, citado pela rede libanesa Al-Manar News.

    Mais:

    Rebeldes tomam capital do Iêmen
    Coalizão árabe acusa Irã de armar houthis no Iêmen
    Coalizão liderada pela Arábia Saudita bombardeia hotel no Iêmen; UE condena ato
    Exército do Iêmen derrubou aeronave e 15 helicópteros da coalizão saudita
    Míssil de milicianos do Iêmen atinge marinha dos Emirados Árabes (VÍDEO)
    Tags:
    houthis, Financial Tribune, Al-Manar News, The New York Times, Abdul Malik Al-Houthi, Ali Abdullah Saleh, Ali Akbar Velayati, Estados Unidos, Vietnã, Sanaa, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik