10:54 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan durante discurso

    Erdogan: 'EUA não podem comprar o voto da Turquia' para reconhecer Jerusalém

    © AFP 2018 / ADEM ALTAN / AFP
    Oriente Médio e África
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (89)
    11182

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou as ameaças dos EUA, feitas na véspera da votação na Assembleia Geral da ONU sobre Jerusalém, marcada para esta quinta-feira, e disse esperar que a comunidade internacional "ensine uma boa lição" a Washington, informou Anadolu.

    O presidente da Turquia comentou assim a declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, de que o seu país deixaria de oferecer apoio financeiro aos países que votarem a favor da resolução da Assembleia Geral da ONU, que condena a decisão norte-americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel. 

    "Hoje será realizada a votação na ONU e o presidente dos EUA faz ameaças. O berço da democracia está buscando votos a venda em todo o mundo. Senhor Trump, o senhor não pode comprar a vontade democrática da Turquia com seus dólares. A nossa decisão é clara. Digo assim para o mundo todo: não coloquem a sua vontade a venda. Eu espero que os EUA não obtenham o resultado que buscam e que o mundo os ensine uma boa lição", disse Erdogan.

    Os países árabes estão organizando uma sessão extraordinária da Assembleia Geral da ONU. A pauta da sessão seria a resolução do Conselho de Segurança da ONU, vetado pelos EUA, sobre a crise entre Israel e Palestina. O documento, apoiado por todos os membros do CS da ONU, exceto Washington, considerou inadmissível o reconhecimento unilateral de Jerusalém enquanto capital de Israel.

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (89)

    Mais:

    Por que EUA vetaram resolução da ONU sobre Jerusalém?
    Opinião: palestinos tencionam alargar 'frente' de luta na questão de Jerusalém
    Em meio a crise por Jerusalém, vice-presidente dos EUA adia viagem ao Oriente Médio
    14 votos a 1: EUA vetam resolução da ONU contra decisão de Trump sobre Jerusalém
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik