Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

EUA vai cortar ajuda bilionária a países que votarem contra decisão sobre Jerusalém

© REUTERS / Kevin LamarqueO presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se reuniram na quinta-feira, 15 de fevereiro de 2017.
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se reuniram na quinta-feira, 15 de fevereiro de 2017. - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente estadunidense Donald Trump ameaçou cortar a ajuda aos Estados membros da ONU que votaram contra os EUA na Assembleia Geral da ONU sobre a questão do movimento de Washington em Jerusalém. Ele disse que os EUA vão economizar "bilhões" no processo.

Suas ameaças estão à frente da extraordinária sessão especial de emergência prevista para quinta-feira. Os países árabes e muçulmanos solicitaram a reunião depois que os EUA vetaram uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para rescindir a declaração de Trump de Jerusalém como capital de Israel.

Sessão do Conselho de Segurança da ONU - Sputnik Brasil
Por que EUA vetaram resolução da ONU sobre Jerusalém?

Trump prosseguiu com a sua controvertida declaração no início deste mês, apesar de vários avisos contrários, desencadeando a condenação internacional e agitando protestos dos muçulmanos em todo o mundo.

"Eles tomam centenas de milhões de dólares e até bilhões de dólares, e depois eles votaram contra nós. Bem, estamos assistindo esses votos. Deixe-os votar contra nós. Vamos economizar muito. Não nos importa", disse Trump a jornalistas na Casa Branca.

Na terça-feira, a enviada dos EUA à ONU, Nikki Haley, enviou uma carta de advertência aos Estados membros, dizendo que o presidente dos EUA tomará as escolhas de voto em sua decisão histórica sobre Jerusalém "pessoalmente".

"O presidente estará assistindo este voto com cuidado e solicitou que eu informe sobre aqueles que votarem contra nós", afirmou Haley na carta.

Haley expressou um aviso semelhante e não sutil no Twitter anteriormente.

"Nós não esperamos que ajudemos a nos direcionar", afirmou, ameaçando que os EUA "tomem os nomes" daqueles que "criticam" a decisão de Trump sobre Jerusalém durante o voto de quinta-feira.

O apoio unânime para a resolução no Conselho de Segurança da ONU foi um "insulto" para os EUA, disse Haley depois de vetar a resolução. "Não será esquecido", acrescentou. Os EUA foram o único Estado do conselho de 15 membros a se opor à resolução.

Mike Pence, vice-presidente dos EUA, durante campanha eleitoral de 2016, em Nova Hampshire, 7/11/2016 - Sputnik Brasil
Em meio a crise por Jerusalém, vice-presidente dos EUA adia viagem ao Oriente Médio

"É mais um exemplo de a ONU fazer mais mal do que bem ao enfrentar o conflito palestino-israelense", afirmou Haley.

O movimento de Trump em Jerusalém, no entanto, já atraiu críticas de vários países, que diziam que a declaração em si era destrutiva para o processo de paz. Dois dias após a decisão dos EUA, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, recusou-se a conhecer o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmando que a Palestina buscará um novo mediador para o conflito.

Os líderes dos países muçulmanos, que se reuniram para uma cúpula de emergência da Organização de Cooperação Islâmica (OIC) em meados de dezembro em Istambul, declararam que a decisão dos EUA efetivamente anulou seu status como mediador no conflito de décadas e pediu reconhecimento mundial de Jerusalém Oriental como a capital da Palestina.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала