03:42 08 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se reuniram na quinta-feira, 15 de fevereiro de 2017.

    EUA vai cortar ajuda bilionária a países que votarem contra decisão sobre Jerusalém

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Oriente Médio e África
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (89)
    331016
    Nos siga no

    O presidente estadunidense Donald Trump ameaçou cortar a ajuda aos Estados membros da ONU que votaram contra os EUA na Assembleia Geral da ONU sobre a questão do movimento de Washington em Jerusalém. Ele disse que os EUA vão economizar "bilhões" no processo.

    Suas ameaças estão à frente da extraordinária sessão especial de emergência prevista para quinta-feira. Os países árabes e muçulmanos solicitaram a reunião depois que os EUA vetaram uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para rescindir a declaração de Trump de Jerusalém como capital de Israel.

    Trump prosseguiu com a sua controvertida declaração no início deste mês, apesar de vários avisos contrários, desencadeando a condenação internacional e agitando protestos dos muçulmanos em todo o mundo.

    "Eles tomam centenas de milhões de dólares e até bilhões de dólares, e depois eles votaram contra nós. Bem, estamos assistindo esses votos. Deixe-os votar contra nós. Vamos economizar muito. Não nos importa", disse Trump a jornalistas na Casa Branca.

    Na terça-feira, a enviada dos EUA à ONU, Nikki Haley, enviou uma carta de advertência aos Estados membros, dizendo que o presidente dos EUA tomará as escolhas de voto em sua decisão histórica sobre Jerusalém "pessoalmente".

    "O presidente estará assistindo este voto com cuidado e solicitou que eu informe sobre aqueles que votarem contra nós", afirmou Haley na carta.

    Haley expressou um aviso semelhante e não sutil no Twitter anteriormente.

    "Nós não esperamos que ajudemos a nos direcionar", afirmou, ameaçando que os EUA "tomem os nomes" daqueles que "criticam" a decisão de Trump sobre Jerusalém durante o voto de quinta-feira.

    O apoio unânime para a resolução no Conselho de Segurança da ONU foi um "insulto" para os EUA, disse Haley depois de vetar a resolução. "Não será esquecido", acrescentou. Os EUA foram o único Estado do conselho de 15 membros a se opor à resolução.

    "É mais um exemplo de a ONU fazer mais mal do que bem ao enfrentar o conflito palestino-israelense", afirmou Haley.

    O movimento de Trump em Jerusalém, no entanto, já atraiu críticas de vários países, que diziam que a declaração em si era destrutiva para o processo de paz. Dois dias após a decisão dos EUA, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, recusou-se a conhecer o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmando que a Palestina buscará um novo mediador para o conflito.

    Os líderes dos países muçulmanos, que se reuniram para uma cúpula de emergência da Organização de Cooperação Islâmica (OIC) em meados de dezembro em Istambul, declararam que a decisão dos EUA efetivamente anulou seu status como mediador no conflito de décadas e pediu reconhecimento mundial de Jerusalém Oriental como a capital da Palestina.

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (89)

    Mais:

    14 votos a 1: EUA vetam resolução da ONU contra decisão de Trump sobre Jerusalém
    Opinião: palestinos tencionam alargar 'frente' de luta na questão de Jerusalém
    Turquia desafia Israel: Erdogan diz que pretende abrir embaixada em Jerusalém Oriental
    Tags:
    política, acordo de paz, diplomacia, Assembleia Geral da ONU, Organização de Cooperação Islâmica (OIC), Mike Pence, Mahmoud Abbas, Nikki Haley, Donald Trump, Jerusalém, Palestina, Israel, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar