01:53 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Fumaça se espalha durante confrontos entre as tropas iraquianas e Forças de Mobilização Popular contra o Daesh en Tal Afar, Iraque, agosto de 2017

    Disseminação da ideologia e ataque à Rússia: analistas preveem futuro do Daesh debilitado

    © REUTERS / Thaier Al-Sudani
    Oriente Médio e África
    URL curta
    240

    O Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) perdeu controle sobre a maior parte dos territórios conquistados na Síria e no Iraque no ano passado.

    No dia 7 de dezembro, o Ministério da Defesa da Rússia declarou libertação plena da Síria das mãos dos terroristas, e três dias mais tarde, o primeiro-ministro iraquiano, Haider Abadi, anunciou o fim da luta contra o Daesh.

    Mesmo assim, os terroristas ainda são capazes de espalhar a sua ideologia por todo o mundo, o que representa uma ameaça séria.

    De acordo com especialistas, o Daesh pode eventualmente mudar o seu nome o que já fez várias vezes, bem como sua maneira de lutar.

    "Eles sempre tentam se transformar em algo mais […] Sempre tentam ressurgir de outra forma ou com outra aparência […] É um movimento em constante desenvolvimento e acredito que seja um problema para todos os países que precisa ser vigiado", disse Dr. David Lowe, especialista em terrorismo e segurança da Universidade John Moores em Liverpool.

    Contudo, ele não acredita que terroristas sejam capazes de controlar todas as cidades do Oriente Médio, ao menos, não em breve.

    Em entrevista à Sputnik, o professor assistente da Universidade de Utrecht, Dr. Joas Wagemakers, disse que organizações terroristas existentes, tais como Tahrir al-Sham que é sucessora da Frente al-Nusra (organização terrorista proibida na Rússia), poderiam vir a receber o controle do Daesh.

    Ao mesmo tempo, Dr. Gerolymatos da Universidade Simon Fraser acredita que o Daesh pode continuar a destruição por todo o mundo, embora menos abertamente.

    "O Daesh continuará operando clandestinamente como organização terrorista internacional. Certamente na Rússia. Os russos desempenharam um papel muito grande e importante na derrota do Daesh em terreno e a organização terrorista pode vir a querer mostrar ser capaz de retaliar", disse o professor à Sputnik.

    A pesquisa realizada por professores da Universidade de Estudos Militares (ISW, na sigla em inglês), sugere que o Daesh teria usado Afeganistão e Paquistão para planejar ataques nos EUA, sendo estes países portos seguros para os terroristas em meio às perdas no Iraque e na Síria. De acordo com a pesquisa, o Daesh estaria treinando combatentes estrangeiros no norte do Afeganistão e planejando ataques na Síria apesar das perdas significantes na região.

    Peter Neumann, representante oficial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), adverte que "o fim do Daesh na Síria e no Iraque não significa o fim da luta contra o terrorismo, nem mesmo significa a vitória sobre o Daesh, somente será o fim do projeto territorial […] o fim da primeira etapa".

    Outro problema corresponde aos interessados na ideologia e propaganda terrorista, que põem em prática ataques terroristas independentes, pois estes são mais difíceis de prevenir em comparação com os de redes terroristas.

    Neste ano, várias cidades foram atingidas por ataques singulares – Barcelona, Londres, Estocolmo, Nice, Nova York, Paris e Berlim.

    James Forest, professor da Universidade de Massachusetts Lowell, sugeriu em entrevista à Sputnik que tanto o Daesh como Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia) estavam ativamente incentivando seus seguidores a perpetuar ataques independentes.

    O Daesh pode ser uma ferramenta extremamente perigosa por possuir um arsenal ideológico intacto. Wagemakers disse: "Acho que o colapso, ou melhor, quase colapso do Daesh, como unidade terrorista, certamente vai diminuir o seu potencial ideológico. Mas não penso que perca todo o potencial. Não acho que se o Daesh deixar de existir como unidade territorial vá perder atratividade."

    Pessoas de países ricos enchiam as fileiras dos terroristas, que não iam por dinheiro. Para especialistas, a única coisa que podem fazer os terroristas é tomar medidas efetivas de combate ao ponto de vista extremista como o islâmico.

    Como esta tarefa não é fácil, especialistas acreditam que a luta antiterrorista vá continuar em 2018 com necessidade de mudanças para se alinhar aos novos desafios.

    Mais:

    Coalizão liderada pelos EUA nega manter fundador do Daesh em base na Síria
    Forças especiais dos EUA: por que Washington envia seus melhores soldados à morte?
    Presidente sírio: terrorismo existe no meu país graças ao apoio do Ocidente
    Tags:
    ideologia, campanha militar, luta, terrorismo, Daesh, Al-Qaeda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik