15:32 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Manobras irritam Pyongyang (20)
    963
    Nos siga no

    O ex-deputado da Câmara dos Representantes pelo Partido Republicano que representava o estado da Florida David Jolly comentou a escalada de tensão entre os EUA e a Coreia do Norte que, na opinião dele, nenhum outro presidente americano jamais enfrentou.

    "Até hoje, a Coreia do Norte não tinha armas nucleares capazes de atingir o território dos EUA, mas agora Donald Trump terá que lidar justamente com essa situação. Se surgir a necessidade de empregar a força, a única opção aceitável será seguir a doutrina de ‘choque e pavor’, como aconteceu no Iraque", revelou Jolly numa entrevista ao vivo no 

    programa Politicking ao canal RT America.

    Além disso, ele acredita que a Coreia do Norte deixará de existir caso seu líder Kim Jong-un venha a efetuar um ataque contra a ilha de Guam.

    "Nesse caso, a Coreia do Norte deixará de existir ao cabo de um mês. Se houver um conflito militar, essa será a única maneira de agir. Um só ataque de alta precisão não é a solução: há um risco muito elevado que o louco do Kim Jong-un lance contra o mundo todos os mísseis que possui. E aí sofrerão ataques o Japão, a Coreia do Sul e, possivelmente, o território dos EUA", acrescentou Jolly.

    Anteriormente, a chancelaria chinesa havia constatado os sinais de diminuição da tensão em torno de Pyongyang.

    Tema:
    Manobras irritam Pyongyang (20)

    Mais:

    Exército norte-americano reforça sistemas antimíssil na Coreia do Sul
    EUA em alerta com relatos de fornecimento de tecnologia da Ucrânia à Coreia do Norte
    Satélites dos EUA registram movimentação de lançadores de mísseis da Coreia do Norte
    Político sul-coreano quer 'inundar' Coreia do Norte com informações para derrubar regime
    Tags:
    medidas de resposta, mísseis, ataque, ameaça, Câmara dos Representantes, Congresso dos EUA, Donald Trump, Kim Jong-un, Guam, Pyongyang, Coreia do Sul, Coreia do Norte, China, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar