14:55 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Tropas russas na Síria (foto de arquivo)

    Rússia voltará ao Iêmen pela porta da frente?

    © Sputnik/ Ministério da Defesa da Rússia
    Oriente Médio e África
    URL curta
    66148300

    A Rússia pode usar sua experiência na Síria para solucionar outros conflitos armados no Oriente Médio e ampliar sua influência na região. Neste sentido, é possível que no futuro no Iêmen possa ser instalada uma base militar russa, informa o portal iemenita Mareb Press.

    Segundo a edição, até há relativamente pouco tempo a Rússia mantinha uma atitude cautelosa em relação à crise iemenita e tentou manter uma certa distância em relação a todas as partes do conflito. Entretanto, recentemente têm começado aparecendo sinais de que Moscou está mudando seu foco.

    Fontes citadas pelo Mareb Press asseguraram que a mudança da posição russa quanto ao problema iemenita "está orientada para a criação das condições necessárias para discutir a futura construção de uma base naval da Rússia nas costas do Iêmen".

    Uns dois anos atrás, o ex-presidente desse país árabe, Ali Abdullah Saleh, propôs a Moscou construir uma base das Forças Armadas da Rússia em território iemenita. Naquela época, Saleh chegou a propor à parte russa que utilizasse bases militares, aeródromos e portos do Iêmen.

    Hoje em dia, o presidente em exercício do país, Abd Rabbuh Mansur Hadi, e o ex-presidente Saleh se encontram em lados opostos do conflito armado que o país está vivendo. Hadi fugiu para a Arábia Saudita, que lançou uma ofensiva contra os partidários da minoria xiita do Iêmen, apoiada por Saleh.

    Curiosamente, a presença russa no país seria proveitosa para ambos os grupos, salienta Mareb Press.

    A população do Iêmen está a favor da Rússia, porque esta não apoia as ações militares realizadas pela coalizão liderada pela Arábia Saudita. Ao mesmo tempo, Moscou não parece estar do lado dos houthis e de Saleh, afirma o colunista Sergei Aksenov em um artigo no jornal russo Svobodnaya Pressa.

    Contudo, os iemenitas esperam que a Rússia se envolva no conflito e não permita que o país seja dividido em zonas de influência dos países do golfo Pérsico, EUA e Reino Unido. Além do mais, querem que os russos impeçam a "agressão bárbara da coalização saudita", ressaltou Aksenov.

    O autor do artigo sublinhou que ambas as partes do conflito confiam em Moscou e que o país eslavo poderia desempenhar um papel de mediador para acabar com a guerra civil no Iêmen.

    Precedentes históricos

    No passado, a União Soviética foi um aliado do Iêmen do Sul, um Estado socialista que existia entre 1967-1990. Naquela época, o Iêmen permitia que os militares soviéticos utilizassem a ilha de Socotra, localizada perto da costa da Somália, na entrada do golfo de Áden: em particular, nessa zona operava a Esquadra do Índico da Marinha soviética, ressalta o colunista.

    O posicionamento geográfico favorável da base soviética no Iêmen sempre foi muito proveitoso, sendo que do ponto de vista geoestratégico se tratava de uma posição principal, explica o ex-comandante das Forças Armadas da Rússia, almirante Félix Gromov, que comandou a Esquadra do Índico da Marinha soviética entre 1982 e 1984.

    O militar aposentado destacou que o golfo de Aden é o lugar onde se cruzam as rotas marítimas comerciais mais importantes. A navegação nesta área tem sido historicamente muito intensa. Sendo assim, ter uma base militar nesta zona seria uma grande vantagem, frisou ele.

    E agora?

    Gromov sublinhou a importância dessa região, referindo que no golfo de Áden há a presença militar de muitos países. Em particular, Pequim inaugurou recentemente sua base militar no Djibouti, um país onde também há instalações militares do Japão, França e EUA.

    "Antes de começar a criar uma base russa, temos que entender primeiro que forças políticas iemenitas propuseram construir essa instalação e se essas forças são estáveis e representam a opinião da maioria da elite iemenita. São questões políticas", declarou ex-militar.

    O entrevistado frisou que uma possível base russa na zona deve ter caráter permanente, caso contrário, não faz muito sentido construí-la. Por enquanto, a situação instável nesse país árabe favorece muito pouco a criação de uma instalação russa, concluiu Gromov.

    Mais:

    OMS: mais de mil pessoas morreram de cólera no Iêmen desde o final de abril
    Queda de helicóptero militar saudita no Iêmen mata pelo menos 12 pessoas
    Explosão mata guarda da Arábia Saudita na fronteira com o Iêmen
    Tags:
    base militar, cooperação militar, Forças Armadas da Rússia, Ali Abdallah Saleh, Abd Rabbuh Mansur Hadi, Iêmen, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik