19:41 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1160
    Nos siga no

    O general aposentado, Jim Jones, o primeiro conselheiro nacional de Barack Obama, criticou fortemente as ações do ex-presidente dos EUA quanto à Síria, chamando a "linha vermelha" de "erro colossal".

    Durante entrevista ao canal CNN, Jones destacou que Obama falhou em satisfazer as expectativas quanto às suas ameaças ao presidente sírio Bashar Assad, o que resultou na "perda de confiança" em uma "região muito importante do mundo".

    Ao falar disso, Jones estava se referindo à declaração de Obama datada de 2012 na qual ele afirmou que uso de armas químicas seria uma "linha vermelha" que Assad não pode cruzar. No entanto, mais tarde, o ex-presidente norte-americano desistiu das suas palavras ao pronunciar o seguinte:

    "Eu não estabeleci uma linha vermelha. O mundo estabeleceu uma linha vermelha quando governos, que representam 98% da população mundial, declararam que uso de armas químicas é assustador e aprovaram um tratado que proíbe seu uso mesmo quando os países estão envolvidos em uma guerra", anunciou Obama depois de um ano.

    Jones é um dos quatro candidatos ao cargo de conselheiro de segurança nacional dos EUA para o presidente Donald Trump. Eis o que ele falou sobre o seu cargo anterior:

    Donald Trump e Barack Obama antes da cerimônia
    © REUTERS / Carlos Barria
    "Tem que ser alguém que entenda da coordenação, da coordenação estratégica da agência interna… alguém que é capaz de resistir e fazer o Conselho de Segurança Nacional resistir, envolvendo-se nos nossos esforços em operações táticas por todo o mundo", declarou.

    Em 21 de agosto de 2013, a Síria foi alvo de ataque químico, quando diversas áreas controladas pela oposição nos subúrbios de Ghouta, em torno de Damasco, foram atacadas por foguetes com um agente químico. O número de vítimas atingiu, segundo várias estimativas, 1.729 pessoas. 

    Mais:

    Opinião: 'Trump defende interesses nacionais com mesma dureza de Obama'
    Obama escreve a carta e se despede do povo americano
    Tags:
    guerra, erro, confiança, armas químicas, Conselho de Segurança Nacional, Bashar Assad, Donald Trump, Barack Obama, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar