02:00 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Premiê turco, Binali Yildirim

    EXCLUSIVA: 'Entendimento entre Moscou e Ancara sobre Síria nunca foi tão bom'

    © AP Photo / Uncredited
    Oriente Médio e África
    URL curta
    521

    Moscou e Ancara têm uma visão comum quanto à crise síria. A Turquia pretende continuar empregando esforços para parar o derramamento de sangue na república árabe, em particular, agora está contribuindo para a retirada dos extremistas de Aleppo.

    A Sputnik falou com Binali Yildirim, primeiro-ministro da Turquia sobre esse tema, bem como sobre as negociações de adesão de Ancara à União Europeia, sobre o uso das moedas nacionais no comércio bilateral entre a Turquia e a Rússia e sobre vários outros assuntos.

    Sputnik: Está satisfeito com os ritmos de normalização das relações entre a Rússia e a Turquia? Que medidas ulteriores foram discutidas nas negociações em Moscou?

    Binali Yildirim: Eu acho que esta visita de alto nível foi muito importante depois do incidente lamentável de novembro de 2015. O processo de restabelecimento das relações que havia antes da crise começou depois da conversa telefônica entre Vladimir Putin e Recep Tayyip, quando o líder russo condenou a tentativa do golpe na Turquia, declarando que ele está do lado das autoridades legítimas. Hoje nós, eu e Dmitry Medvedev, premiê russo, discutimos como podemos restabelecer nossas relações em todas as áreas: comércio, turismo, energia, ao nível que tínhamos até 24 de novembro de 2015. Nós estabelecemos a meta de atingir a circulação de mercadorias de 100 bilhões de dólares e procuraremos fazer com que o processo da normalização se acelere. Temos intenção de trabalhar mais para levantar todas as restrições aplicadas durante este período.

    S: Em Ancara disseram que um dos objetivos da sua visita foram as negociações sobre o uso de moedas nacionais no comércio bilateral, estas negociações avançaram? Que obstáculos existem?

    BY: Discutimos este assunto. O lado russo também está interessado nisso. Os bancos já estão considerando a questão de que modo este desígnio pode ser realizado, porque, para que possa ser realizado, existem questões técnicas que têm que ser examinadas. Mas a Rússia, bem como a Turquia, consideram esta proposta de modo positivo.

    S: Nas negociações em Moscou foi discutida a crise síria. A Rússia e a Turquia conseguiram se aproximar na posição sobre a Síria?

    BY: Sem dúvida, nesta fase compreendemos melhor um ao outro, como nunca antes. Em termos da visão sobre a crise síria, temos uma abordagem comum.

    S: As notícias na mídia sobre as negociações entre representantes da Rússia e da oposição síria relativamente à situação em Aleppo com a mediação de Ancara correspondem à realidade? Hoje a coalizão nacional da Síria declarou que estas negociações tiveram lugar, mas terminaram sem resultados. Como você pode comentar estas declarações?

    BY: O trabalho nesta direção está sendo realizado. E aqui é preciso nos concentrarmos nas soluções para a saída da crise. A Turquia contribuiu muito e pretende continuar contribuindo para parar o derramamento de sangue na Síria. No entanto, nesta questão os representantes do regime não são muito sinceros. Aqui seria muito útil se a posição da Rússia em relação ao regime fosse mais influente, mais eficiente. No entanto, nossos esforços continuarão. Precisamos de garantir o cessar-fogo e estender a mão de ajuda para as pessoas que lá sofrem.

    S: A Rússia e os EUA estão negociando para resolver problema em Aleppo, em particular eles discutem o mecanismo de retirada da cidade de todos os militantes. Como a Turquia vê o seu papel nesta questão?

    BY: A Turquia está precisamente tratando desta questão. Desde o início que nossos esforços são destinados a expulsar de Aleppo todos agrupamentos terroristas. Os que representam o Exército Livre da Síria combatem para libertar o país dos elementos desnecessários. Todos nós juntos devemos eliminar os elementos presentes: o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), a Frente al-Nusra, o Partido da União Democrata. É necessário claramente separar os que lutam para libertar o seu país dos que são organizações terroristas reconhecidas por todos. O nosso objetivo comum é a luta contra os grupos terroristas. Por isso, fazemos tudo o que é possível nesse sentido.

    S: É possível falar do progresso na separação dos oposicionistas dos terroristas na Síria?

    BY: Em geral, eles já estão separados. Já é claro quem é quem e eles não estão unidos entre si.

    S: As relações entre a Turquia e a União Europeia pioraram devido à posição de Bruxelas em relação aos processos políticos na Turquia, as negociações sobre adesão da Turquia foram congeladas. Tem Ancara a intenção de revogar o seu pedido para aderir à UE?

    BY: A Turquia e a União Europeia têm uma história longa de relações, de vez em quando elas se desenvolvem bem, e de vez em quando acontecem crises. Com todos os países isso é possível, por exemplo, com a Rússia, também tivemos um período de crise.

    A decisão tomada pelo Parlamento europeu não tem muito peso. Esta situação é semelhante àquela decisão que recentemente foi tomada em relação à agência Sputnik. Na União Europeia não estão muito satisfeitos com as notícias que a Sputnik publica, por isso eles querem impor restrições a esta mídia. Por um lado, eles falam sobre a liberdade de expressão, por outro usam-na somente em seus próprios interesses. É uma política de padrões duplos.

    Mas nós não temos a intenção de revogar nosso pedido de adesão à UE, não temos e não tivemos. A União Europeia tem que pensar muito sobre os passos que dá, não por pensar em nós mas para o seu próprio futuro. O futuro e a segurança da União Europeia não são possíveis sem a Turquia. A Rússia e a Turquia têm muitos pontos de contato com a UE nas diferentes áreas. Por isso, quando eles tomam decisões têm que pensar muito bem a que resultados estas decisões podem levar.

    Mais:

    Erdogan propõe a Putin se livrar do dólar
    Turquia pretende continuar realização de projeto da usina nuclear de Akkuyu
    Turquia ameaça abrir fronteiras da Europa para refugiados
    Vice-premiê da Turquia destaca papel da Rússia no sucesso da operação turca na Síria
    Tags:
    crise síria, cooperação bilateral, União Europeia, Binali Yildirim, Rússia, Moscou, Ancara, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik