15:44 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Militares sírios perto da base aérea de Deir ez-Zor

    Síria avalia declaração dos EUA sobre ataque 'por engano' contra suas forças em setembro

    © AFP 2017/ GEORGE OURFALIAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    501

    A Síria está analisando a declaração do Pentágono referente ao ataque aéreo realizado pela coalizão internacional liderada pelos EUA contra as forças do governo sírio na cidade de Deir ez-Zor, em setembro, ter sido por engano e não intencional.

    A notícia foi dada por uma fonte síria à agência RIA Novosti na quarta-feira (30).

    Em 17 de setembro de 2016, a coalizão internacional realizou um ataque aéreo contra tropas governamentais da Síria. Quatro aviões americanos atacaram posições do exército sírio por erro. Após esse incidente, que deixou 60 mortos e cerca de cem feridos entre os soldados sírios, o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia) conseguiu ocupar uma posição estratégica e lançar uma ofensiva contra o exército sírio.

    Na terça-feira (29), o general de brigada da Força Aérea dos EUA Richard Coe anunciou os resultados da investigação, concluindo que as forças norte-americanas "cometeram um erro inintencional lamentável baseado em fatores humanos".

    "Sim, vimos aquelas afirmações. Precisamos de examiná-las detalhadamente", revela a fonte.

    O secretário da Defesa dos EUA Ashton Carter foi notificado dos resultados da investigação e manifestou esperança de que os militares norte-americanos vão aprender com o ataque aéreo de setembro.

    Desde 2014 que os EUA e seus aliados da coalizão internacional têm estado realizando a operação Inherent Resolve na Síria e no Iraque.

    Mais:

    Para salvar Síria, é preciso que nova administração dos EUA não apoie rebeldes
    Kerry espera chegar a um acordo com Rússia sobre Síria até posse de Trump
    Tags:
    Inherent Resolve, exército sírio, ofensiva, ataque aéreo, investigação, Força Aérea dos EUA, Daesh, Ashton Carter, Deir ez-Zor, Damasco, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik