22:24 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    COVID-19 no mundo em meados de maio (35)
    242
    Nos siga no

    Em meio a uma média de 4.000 mortes diárias e mais de 24 milhões de infecções pela COVID-19 na Índia, um especialista indiano referiu as razões por trás do recente descontrole pandêmico no país.

    Após uma segunda onda da pandemia do coronavírus na Índia, o governo de Narendra Modi tem sido criticado pelos veículos de imprensa nacionais e internacionais por má gestão da crise. Ainda em janeiro, Modi disse ao Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) que a Índia havia conseguido controlar a pandemia.

    No entanto, os governos estaduais são igualmente culpados, diz Suvam Pal, um profissional de mídia e autor indiano que trabalha em Pequim, China.

    "Complacência, incompetência, descuido, insensibilidade e caos são as cinco palavras adequadas que resumem as razões por trás da segunda onda catastrófica na Índia", argumenta Pal em conversa com a Sputnik.

    O jornalista sugere que Nova Deli subestimou a ameaça potencial da segunda onda.

    "Depois de conter a primeira onda e dar o pontapé inicial de sua ambiciosa e muito publicitada campanha de vacinação mais diplomacia vacinal, o governo liderado por Modi estava repousando sobre esses louros e foi pego completamente desprevenido", diz.

    Segundo o especialista, Harsh Vardhan, ministro da Saúde da Índia, um médico qualificado, que foi eleito para o cargo de presidente do Conselho Executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS) ainda em 2020, também não seguiu os protocolos, políticas e contramedidas recomendadas pela OMS contra a segunda onda.

    Familiares de falecido devido à doença do novo coronavírus (COVID-19) choram antes de sua cremação em um crematório no povoado de Giddenahalli, periferia de Bengaluru, Índia, 13 de maio de 2021
    © REUTERS / Samuel Rajkumar
    Familiares de falecido devido à doença do novo coronavírus (COVID-19) choram antes de sua cremação em um crematório no povoado de Giddenahalli, periferia de Bengaluru, Índia, 13 de maio de 2021

    Ao mesmo tempo, os governos estaduais indianos, encarregados de executar muitos programas governamentais e que podem desenhar suas próprias abordagens, também "entraram em uma hibernação do tipo Rip van Winkle depois de afastarem a primeira onda" e não realizaram nenhuma política proativa para conter o coronavírus, refere Pal.

    Enquanto os estados governados pelo Partido Bharatiya Janata, governista, aguardavam as ordens de seus ministros centrais, "a maioria dos estados governados pelos partidos da oposição estavam envolvidos em jogos de acusações e sem mostrarem qualquer intenção de estar na mesma página com o governo central em uma luta coletiva contra o vírus", argumenta Suvam Pal.

    Cobertura da mídia

    A mídia indiana se dividiu em grupos pró-Modi e anti-Modi, que às vezes acabam escolhendo as histórias que lhes são mais convenientes, de acordo com o profissional.

    "A mídia pró-Modi tem culpado entusiasticamente a congregação do Tablighi Jamaat [movimento islâmico internacional] pela primeira onda e os comícios e protestos dos fazendeiros como superpropagadores durante a segunda onda, enquanto a mídia anti-Modi tem atacado vigorosamente a horrível reunião de Kumbh Mela [peregrinação e festival hindu] ou comícios eleitorais", aponta Pal.

    Na verdade, todos os fatores acima mencionados, incluindo outros encontros de massas de hindus, muçulmanos, sikh e cristãos, devem ter contribuído para o aumento acentuado das infecções e mortes pela COVID-19, continua o autor. No entanto, muitos veículos de imprensa preferem atribuir culpas em vez de "chamar a atenção para cada um desses eventos superpropagadores e dar um quadro abrangente e multidimensional".

    Como seria futuro político de Modi?

    A crise pandêmica nesta segunda onda na Índia pode ter desacelerado a popularidade do primeiro-ministro indiano, afirmou na quarta-feira (12) a revista Foreign Policy, apesar de os indícios disso não serem muito dramáticos.

    Em Ahmedabad, na Índia, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, discursa durante encontro em celebração aos 75 anos de independência do país, em 12 de março de 2021
    © REUTERS / Amit Dave
    Em Ahmedabad, na Índia, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, discursa durante encontro em celebração aos 75 anos de independência do país, em 12 de março de 2021

    Por um lado, as taxas de aprovação de Modi caíram de 74% no final de março para 63% na terça-feira (11), segundo a empresa Morning Consult. Por outro lado, com exceção de Bengala Ocidental, o partido ganhou mais assentos do que nas eleições anteriores em vários estados.

    "Se Modi continuar ignorando ou negligenciando a ciência real e permitindo atividades não científicas de seu governo, como a criação da [organização sobre gados] Rashtriya Kamdhenu Aayog, que antes propagou publicamente o experimento pseudocientífico de cobrir telefones celulares com esterco de vaca, estou certo de que os eleitores urbanos e educados o abandonarão por promover a estupidez às custas de seus notáveis trabalhos de desenvolvimento de base", sugere o especialista.

    Até hoje, a Índia já registrou mais de 24 milhões de infecções e mais de 266.000 mortes relacionadas à doença do novo coronavírus, com fatalidades diárias que atingem cerca de 4.000.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    COVID-19 no mundo em meados de maio (35)

    Mais:

    Governo da Índia é questionado por tribunal sobre suposta alocação injusta de oxigênio
    Xi Jinping oferece ajuda à Índia: 'A China está disposta a fortalecer a cooperação'
    Em meio ao pico da COVID-19, Índia recebe lote de 150 mil doses da Sputnik V (FOTOS)
    Tags:
    Sputnik News, Sputnik, Morning Consult, Foreign Policy, OMS, Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Mundial da Saúde, China, Pequim, Fórum Econômico Mundial, Narendra Modi, COVID-19, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar