22:27 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    1281
    Nos siga no

    Apesar de os BRICS representarem "o tipo de relações entre países que queremos no século XXI", rivalidade entre Índia e China ainda é obstáculo para maior integração, dizem especialistas.

    Nesta quinta-feira (8), especialistas debateram as relações entre os BRICS e a União Europeia em seminário organizado pelo Clube Valdai de Discussões Internacionais.

    As relações entre a Europa e diversos membros do BRICS, como Brasil, Índia e África do Sul, foram historicamente marcadas pelo colonialismo.

    "A Rússia diverge dos demais países do BRICS, uma vez que enfrentou e enfrenta conflitos em fase aguda com a Europa", notou o diretor do programa Política Externa da Rússia da Escola Superior de Economia de Moscou, Dmitry Suslov.

    "Atualmente, a Rússia já não trata a Europa como um 'outro significativo'. Suas relações com a China, Índia e Brasil não são mais usadas como moeda de troca para seu relacionamento com o Ocidente", notou Suslov.

    Além disso, "a Rússia nem sempre enxerga a Europa como um ente independente, mas sim como um ator fortemente influenciado pelos EUA".

    O chanceler russo, Sergei Lavrov, e a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, falam com a imprensa após encontro em Bruxelas, na sede da União Europeia
    © AFP 2021 / JOHN THYS
    O chanceler russo, Sergei Lavrov, e a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, falando com a imprensa após encontro em Bruxelas, na sede da União Europeia

    Para ele, diferente da União Europeia, os BRICS garantem um espaço de diálogo equitativo entre os membros.

    "As relações entre os países do BRICS representam exatamente o que a Rússia espera de uma nova ordem mundial: policentrismo, diversidade e respeito às diferenças", disse Suslov.

    O diretor do Clube Valdai, Timofei Bordachev, concordou, dizendo que "no BRICS nenhum país pode impor seu ponto de vista a outro, nem se portar de maneira hegemônica, ao contrário do que vemos em alguns organismos ocidentais modernos".

    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, preside à XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, preside à XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020

    "Os BRICS representam o tipo de relações entre países que queremos ver no século XXI", resumiu Bordachev.

    Pedra no sapato

    Apesar do potencial, um dos maiores obstáculos para maior integração entre os países do BRICS é a rivalidade entre Índia e China.

    "Mesmo que a China seja o maior parceiro comercial da Índia, essas relações econômicas não estão se traduzindo em um melhor relacionamento político", disse a pesquisadora Nivedita Kapoor, da Observer Research Foundation, à Sputnik Brasil.

    "Para que as relações comerciais possam garantir melhores relações políticas, é necessário que essas relações econômicas sejam relativamente equilibradas", disse Vasily Kashin, pesquisador da Escola Superior de Economia de Moscou, à Sputnik Brasil.

    Guardas de fronteira da China e da Índia
    © AFP 2021 / DIPTENDU DUTTA
    Guardas de fronteira da China e da Índia

    "O volume de comércio entre China e Índia é enorme, mas geram um déficit considerável para Nova Deli", notou Kashin. "Para fazer da economia uma base para as relações políticas, as partes terão que trabalhar muito."

    Para Kapoor, "uma relação comercial forte não é o suficiente" para aplacar a rivalidade sino-indiana.

    "Os acontecimentos no leste de Ladakh, que ocorreram no meio da pandemia, realmente estremeceram as bases políticas das relações entre Índia e China", disse Kapoor.

    Soldados indianos patrulham região de fronteira com a China no Himalaia, 28 de fevereiro de 2021
    © AFP 2021 / Tauseef Mustafa
    Soldados indianos patrulham região de fronteira com a China no Himalaia, 28 de fevereiro de 2021

    Entre junho e julho de 2020, soldados da China e da Índia entraram em confronto na região contestada de Ladakh. Além de vítimas, o conflito gerou uma onda de provocações mútuas, notícias falsas e desconfiança.

    "A Índia atualmente tem uma forte percepção de que a ascensão da China como potência representa uma ameaça a sua segurança, especialmente porque [Pequim e Nova Deli] têm disputas territoriais."

    China e Índia não possuem fronteiras claramente delimitadas tanto na região de Ladakh, quanto na Caxemira, onde o contencioso ainda envolve o Paquistão.

    "Os russos devem entender isso bem, uma vez que suas relações com a China só deslancharam depois de resolvidas as disputas fronteiriças", notou a especialista, fazendo referência aos conflitos sino-soviéticos de 1969 na parte leste da fronteira entre os países.

    Para ela, "existem questões de segurança que não podem ser sanadas pelas relações econômicas".

    "Por isso, a Índia está agora colocando sob escrutínio rígido os investimentos chineses no país, inclusive na questão sobre a [tecnologia] 5G", lembrou Kapoor.

    Indiana usa broche com o logo da empresa chinesa Huawei durante congresso especializado em Nova Deli, Índia, 14 de outubro de 2019 (foto de arquivo)
    © REUTERS / Anushree Fadnavis
    Indiana usa broche com o logo da empresa chinesa Huawei durante congresso especializado em Nova Deli, Índia, 14 de outubro de 2019 (foto de arquivo)

    De acordo com Kashin, "esses problemas poderiam ser resolvidos através do diálogo, mas as partes precisariam estar prontas para fazer concessões, o que nem sempre é o caso".

    A rivalidade entre Índia e China exigirá "trabalho diplomático árduo" por parte dos BRICS, concluiu o especialista.

    Nesta quinta-feira (8), especialistas em relações entre os países do BRICS se reuniram em Moscou para debater os rumos do agrupamento e apresentar um relatório sobre suas relações com a União Europeia.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Como proximidade dos EUA e Índia poderia influenciar relações de defesa entre Nova Deli e Moscou?
    'Extremismo com punhos de renda': novo chanceler dosará influência bolsonarista na política externa?
    'Washington se porta de maneira agressiva no mercado internacional de armas', diz analista militar
    Tags:
    fronteira, segurança, rivalidade, União Europeia, Europa, BRICS, China, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar