02:48 24 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 82
    Nos siga no

    Especialistas acreditam que China e Índia compartilham a mesma postura: nenhuma das duas potências nucleares pretende ser a primeira a atacar.

    De acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa sobre a Paz de Estocolmo (SIPRI, na sigla em inglês), uma escalada nuclear entre os dois gigantes asiáticos não só seria improvável como impensável, informa o jornal Times Now News.

    "Entre especialistas chineses e indianos, existe uma visão predominante compartilhada entre eles de não uso primeiro [de armas nucleares], sendo que a escalada nuclear entre os dois países seria não só improvável como impensável", relata o SIPRI.

    Alguns especialistas, citados pelo relatório do SIPRI publicado na quinta-feira (1º), denotaram nuances na abordagem da Índia de não haver um primeiro uso de armas nucleares, e uma discussão em evolução na nação sobre possibilidade de uso futuro, enquanto outros apontaram debates passados na China sobre não usar armas nucleares primeiro. Contudo, ignoraram em grande parte a possibilidade de uso de armas nucleares em meio a tensões.

    O domínio contínuo do pensamento indiano de uma ameaça em "duas frentes" – China e Paquistão – demonstra que se deve ter uma maior consideração em como políticas de dissuasão deverão funcionar entre estes três países, mesmo que seja necessário chamar outras nações para monitorar as tensões.

    Neste último aspecto, a possível intervenção dos EUA na região, cenário que chama atenção de muitos especialistas chineses, gerou debate.

    Por um lado, a China se preocupa com as vendas de armas dos EUA à Índia, bem como com a participação de ambos em iniciativas como a Estratégica dos EUA do Indo-Pacífico e o Diálogo de Segurança Quadrilateral, ou Quad, que têm em mira a contenção do poder e influência de Pequim na região.

    Por outro, os EUA mostram preocupação com as aspirações chinesas na área em causa, tendo em conta sua assistência ao Paquistão no setor nuclear, e o Corredor Econômico China-Paquistão sob a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota.

    Por fim, tanto os EUA como a China acabam defendendo seu posicionamento, justificando-o como estabilizador regional.

    Porém, tendo em conta a situação atual na região de Ladakh, disputada entre Pequim e Nova Deli, e mesmo que China e Índia não venham a iniciar tensões nucleares tão rapidamente, esta pode ser uma oportunidade para conversações mais próximas entre Índia e EUA no espectro nuclear.

    Mais:

    Paquistão, EUA e Arábia Saudita realizam exercício aéreo conjunto em base não identificada (FOTO)
    Filipinas descobrem estruturas 'ilegais' construídas em arquipélago disputado pela China
    Covaxin é eficaz contra variantes do Brasil e do Reino Unido, diz governo da Índia
    Tags:
    armas nucleares, tensões, Indo-Pacífico, Ásia, Índia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar