02:59 15 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    Com o período letivo paralisado em grande parte do Brasil e a impossibilidade da universalização do ensino à distância, o setor da educação segue sendo um dos mais afetados pelo surto do novo coronavírus no país.

    Em meio a esse cenário de desafios e incertezas, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) decidiu adiar para janeiro o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020, mas, com a intensificação da pandemia, as novas datas também já começam a ser questionadas, dado que o Brasil ainda deve estar em um situação muito difícil daqui a um mês.

    A COVID-19 no Brasil expôs uma série de consequências das diferenças socioeconômicas na educação. O ensino remoto usado em diversos países se mostrou falho por aqui devido às dificuldades de acesso a dispositivos e à Internet em grande parte do território nacional e, principalmente, nas camadas mais desfavorecidas da população. 

    ​Mesmo com algumas medidas paliativas adotadas por autoridades e instituições de ensino em um ou outro caso, 2020 foi, sem dúvidas, um ano extremamente crítico para os estudantes brasileiros. E, apesar do início da vacinação contra o novo coronavírus em alguns países e a expectativa de que isso ocorra no Brasil no próximo ano, dificilmente, em 2021, a situação da educação nacional voltará ao cenário pré-pandemia, como avalia o professor e pedagogo Ítalo Curcio, coordenador do curso de pedagogia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

    "Nesse caso, pelo menos, até a metade do próximo ano, talvez ainda o ano todo, não devemos esperar o retorno à realidade vivenciada antes da pandemia. Eu, particularmente, penso que teremos ainda um ano muito difícil. Os pais sabem disso, os professores sabem disso e as escolas também. O esperado é que se tenha ainda um pouco mais de paciência e que evitemos os conflitos, independentemente de qualquer linha ideológica", afirma ele em entrevista à Sputnik Brasil.

    De acordo com o especialista, há uma ideia clara entre os professores de que, na verdade, a realidade anterior ao surto da COVID-19 "não voltará mais". Isso porque muito do que se viu e se discutiu ao longo dos últimos meses no país "veio para ficar". E o ideal é que essa experiência seja aproveitada da melhor forma possível. 

    "Vamos trabalhar em cumplicidade, para o bem de todos, família e escola."

    Quanto às perdas do sistema de ensino e dos estudantes, Curcio acredita que "perdas efetivas" são apenas as mortes provocadas pelo vírus que varreu o globo ao longo de 2020. Quanto às aulas e conteúdos que ficaram incompletos por conta da pandemia, isso, segundo ele, poderá ser recuperado nos próximos anos, desde que se faça um planejamento "cuidadoso e específico". 

    "É uma nova realidade. Os governos precisam compartilhar o problema com os especialistas da educação, para se promoverem ações que resultem na superação desse distanciamento. Devemos continuar pensando em métodos e estratégias para superação desse momento de crise", argumenta o professor, se dizendo "menos pessimista do que alguns anunciantes do caos". 

    ​Dada a singularidade do atual período, o pedagogo da Universidade Presbiteriana Mackenzie acha que "o tradicional, nem sempre, poderá ser adotado", inclusive no que diz respeito aos instrumentos de avaliação.

    "Porém, mais uma vez, vale a criatividade e a experiência dos professores. Quem disse que as avaliações têm que ser provas escritas, aplicadas presencialmente, com vigilância, para que o aluno não cole, como se diz na linguagem popular? Eu mesmo alterei os meus instrumentos de avaliação junto aos meus alunos. E eu estou convicto de que fui bem sucedido. E os meus alunos também estão satisfeitos." 

    Para Curcio, o Ministério da Educação, orientado pelo Conselho Nacional de Educação, tem tomado decisões "que estão sendo úteis para toda a nação". E, se todos continuarem trabalhando em conjunto, certamente, os resultados serão melhores. 

    No caso de uma possível segunda onda, o especialista acredita que a estratégia a se adotar é não se abalar, seguindo com a cautela e pensando em aproveitar o aprendizado oriundo das adversidades enfrentadas por todos neste ano de 2020

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Conselho Nacional de Educação recomenda não reprovação e autoriza ensino remoto até 2021 no Brasil
    'Ensino de Filosofia': documentário denuncia desmonte do pensamento crítico na educação
    Quem ganha com o novo corte na Educação brasileira? Cientista político comenta mudanças no orçamento
    Ministério da Educação do Brasil ordena volta às aulas presenciais em universidades federais
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, pandemia, professores, alunos, Enem, ensino, Universidade Presbiteriana Mackenzie, educação, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar