15:31 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    4261
    Nos siga no

    Neste Dia Mundial da Alimentação, a Sputnik Brasil debate o prêmio Nobel concedido ao Programa Mundial de Alimentos (PMA) e como a pandemia, guerras e mudanças climáticas colocam a fome de volta no centro da agenda mundial.

    No dia 16 de outubro é comemorado o Dia Mundial da Alimentação, indispensável para projetar o debate em um mundo no qual cerca de 690 milhões de pessoas passam fome diariamente.

    Em contexto desfavorável, no qual a pandemia, o aquecimento global e a retração do multilateralismo dificultam ações conjuntas no âmbito global, o prêmio Nobel da Paz foi concedido justamente a uma agência voltada para o combate à fome.

    O Programa Mundial de Alimentos (PMA), agência ligada às Nações Unidas que provê assistência a cerca de 100 milhões de pessoas em 88 países, recebeu o prêmio em 9 de outubro.

    Mulher coleta grãos que caem de saca de mantimentos providenciada pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA) em Kandak, Sudão do Sul, 2 de maio de 2018
    © AP Photo / Sam Mednick
    Mulher coleta grãos que caem de saca de mantimentos providenciada pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA) em Kandak, Sudão do Sul, 2 de maio de 2018

    De acordo com o Comitê do Nobel, o PMA foi laureado por seus "esforços para combater a fome [...] e por agir para evitar que ela seja utilizada como uma arma de guerra".

    A Sputnik Brasil conversou com brasileira especialista em Proteção Social que integra o time do Programa Mundial de Alimentos.

    "Acho que foi um prêmio simbólico, concedido para chamar a atenção para o problema [..] da desigualdade, da pobreza e, consequentemente, da fome", disse a funcionária. 

    O que faz o PMA?

    De acordo com a brasileira, "o PMA, como maior agência humanitária das Nações Unidas, sempre teve um papel muito importante pela questão da logística de entrega de serviços".

    "A centralidade do programa sempre foi inquestionável. A capacidade logística do PMA é muito forte e é isso o que importa em uma emergência", disse.

    "Inicialmente, o programa focava na questão dos alimentos, mas hoje o PMA faz serviços de logística para toda a comunidade humanitária", contou. "Agências como a UNICEF [Fundo das Nações Unidas para a Infância] e a ACNUR [Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados] contratam nossos serviços de logística, armazenamento e transportes."

    Avião do Programa Mundial de Alimentos decola do aeroporto internacional de Beira, Moçambique, 13 de março de 2019
    © AP Photo / Tsvangirayi Mukwazhi
    Avião do Programa Mundial de Alimentos decola do aeroporto internacional de Beira, Moçambique, 13 de março de 2019

    De uns anos para cá o programa ganhou mais atenção "por causa do aumento no número de conflitos que chamam a atenção do Ocidente".

    "Depois de conflitos como o da Síria e a crise de refugiados, o perfil do PMA realmente ficou em ascensão."

    De acordo com ela, o "PMA tem tido financiamento constante ", o que seria uma expressão do "reconhecimento do papel do programa pela comunidade internacional".

    "Enquanto o presidente dos EUA, que não é muito afeito ao multilateralismo, cortou o financiamento de várias agências [humanitárias], o PMA foi uma das únicas que sobreviveu", relatou.

    A brasileira, que conversou com a Sputnik Brasil à título pessoal, chama atenção para o papel político do programa, que reflete as estruturas de poder internacionais.

    "Muitos países que financiam ajuda humanitária [...] são os mesmos que causam as guerras", disse. "Então, no fundo, o papel dessas agências não foge da geopolítica mundial."

    Apesar da importância do acesso a alimentos, o PMA vem expandindo sua atuação para abarcar o desenvolvimento econômico-social.

    "O perfil está evoluindo bastante: além da parte de emergência, muitos países enfrentam outros tipos de dificuldades, relacionadas à pobreza e às mudanças climáticas, que afetam comunidades rurais."

    O que mudou com a pandemia

    De acordo com estimativas do próprio PMA, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar aguda deve aumentar em 80% no ano de 2021.

    A deterioração está ligada não só à COVID-19, mas também ao aquecimento global e o aumento no número de conflitos armados globalmente.

    Pessoas carregam mantimentos cedidos pelo Programa Mundial de Alimentos no Iêmen, 17 de janeiro de 2016
    © AP Photo / Abdulnasser Alseddik
    Pessoas carregam mantimentos cedidos pelo Programa Mundial de Alimentos no Iêmen, 17 de janeiro de 2016

    Nesse contexto, ela acredita que "ações do PMA ligadas ao desenvolvimento [serão] o carro-chefe depois da pandemia".

    Impacto do prêmio Nobel

    Para a brasileira, o prêmio Nobel não foi concedido ao PMA "para angariar fundos [...] mas para jogar luz nesse problema que já existe mas que provavelmente será exacerbado".

    "Ainda não estamos sofrendo todos os impactos econômicos da pandemia, mas muitas pessoas já estão desempregadas e com a qualidade de vida afetada", lamentou. "No Brasil, vemos que a fome voltou."

    Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em setembro de 2020 revelaram que 10,3 milhões de brasileiros vivem em situação de insegurança alimentar, um crescimento de 43,7% em relação a 2013.

    Refugiados rohingya em centro de atendimento do Programa Mundial de Alimentos (PMA) em Kutupalong, Bangladesh, 24 de agosto de 2018
    © AP Photo / Altaf Qadri
    Refugiados rohingya em centro de atendimento do Programa Mundial de Alimentos (PMA) em Kutupalong, Bangladesh, 24 de agosto de 2018

    Além disso, o aquecimento global é apontado como fator-chave para a deterioração da qualidade de vida dos pequenos agricultores.

    "O aquecimento global já é um dos motivos principais para a atuação do PMA no mundo, mas dessas coisas não se fala nos jornais", lamentou.

    Para ela, "a agência é muito boa no que faz [...] e realmente merecia um prêmio Nobel".

    "Mas a mensagem principal é que nós estamos aqui porque o problema existe e ele não vai diminuir. Todas as projeções apontam que ele vai aumentar", alertou.

    Ligado ao sistema da Organização das Nações Unidas, o Programa Mundial de Alimentos é uma das maiores agências humanitárias do mundo. Com 17 mil funcionários, o programa conduz ações em quase 90 países e operou com orçamento recorde de US$ 8 bilhões (cerca de R$ 44 bilhões) em 2019.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    ONU: mundo está à beira da 'pandemia de fome' e necessita de ações urgentes
    Brasil tem 'grande probabilidade' de voltar ao Mapa da Fome, diz economista da Unicamp
    Fome e vacina podem gerar nova onda de migração no mundo pós-COVID, alerta chefe da Cruz Vermelha
    Tags:
    Aquecimento global, COVID-19, pandemia, Mapa da Fome, fome, ajuda humanitária, Organização das Nações Unidas, Programa Mundial de Alimentos, Nobel da Paz, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar