15:59 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de setembro (42)
    0 50
    Nos siga no

    O Brasil e o Paraguai assinaram na última quarta-feira (16) um acordo bilateral para reativar parcialmente o comércio nas regiões fronteiriças entre os dois países com a criação de pontos comerciais.

    As fronteiras entre Brasil e Paraguai foram fechadas em março por conta da expansão da pandemia do novo coronavírus. Os pontos comerciais onde estará autorizada a circulação de compradores serão criados nas fronteiras entre Ciudad del Este e Foz do Iguaçu (PR); Pedro Juan Caballero e Ponta Porã (MS); Salto de Guaira e Mundo Novo (MS).

    A professora de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM), Denilde Holzhacker, em entrevista à Sputnik Brasil, observou que grande parte do volume de produção e comércio do Paraguai depende dessas áreas próximas à fronteira do Brasil, e o fechamento da fronteira gerou um impacto econômico muito forte para ambos os lados.

    De acordo com ela, após muita pressão para a reabertura e pela volta do fluxo comercial, foi tomada uma "decisão intermediária" para restabelecer o comércio.

    "É possível fazer compras, mas elas têm que ser feitas eletronicamente e levadas pros postos de logística, que aí as pessoas vão retirar, então não tem circulação de pessoas, não tem turismo. É uma forma de reativar a economia dos dois lados e, ainda assim, manter as questões sanitárias", afirmou.

    A especialista destacou que, para o Brasil, além do comércio, o fechamento das fronteiras gera impacto no setor de turismo, em particular, o turismo de compras.

    "O turismo de compras é muito dependente e tem forte impacto na região de Foz de Iguaçu, não só pelas belezas naturais, mas também pela possibilidade de compras do lado paraguaio e argentino. Então não é só comércio, mas a gente também tem todo um dinamismo de turismo, que também foi impactado pelo período de fechamento de fronteiras", disse.

    De acordo com ela, a logística desta reabertura parcial ainda não está inteiramente clara, mas foi determinado por ambos os governos que não vai haver circulação. As compras serão feitas on-line e a circulação de pessoas será restrita à retirada.

    O presidente da AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), José Augusto de Castro, afirmou à Sputnik Brasil que a criação dos pontos de troca comerciais nas fronteiras é "uma forma indireta de controlar a COVID-19, que não está eliminada, e viabilizar as atividades comerciais".

    "Neste momento, o Paraguai é um importante país para o Brasil, porque o Paraguai tem agora energia de Itaipu muito barata, tem um sistema tributário muito melhor do que o do Brasil, então produzir no Paraguai para exportar para o Brasil ou para o mundo é uma boa alternativa neste momento", declarou o especialista.

    De acordo com ele, a balança comercial entre Brasil e Paraguai tradicionalmente é uma balança favorável ao Brasil, pois o Paraguai importa muito mais do Brasil do que o Brasil importa do Paraguai.

    "A pauta de exportação do Brasil para o Paraguai é bastante diversificada e ela tem crescido nos últimos anos. O volume não é tão grande. O Brasil exportou este ano [até o mês de agosto] 1,3 bilhão e importou 900 milhões [de dólares]. Ou seja, tem um superávit de 400 milhões de dólares até agosto, o que faz com que o Paraguai seja o 23º país de destino das exportações brasileiras", afirmou o especialista.

    "É um mercado pequeno, mas é um mercado bom. Simples e desburocratizado", completou o presidente da AEB.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de setembro (42)

    Mais:

    Paraguai relaxa quarentena em região de fronteira com Brasil
    'Temos obrigação de cuidar do nosso povo', diz líder do Paraguai ao não abrir fronteira com Brasil
    Movimento de compradores na fronteira de Brasil e Paraguai foi 'duramente afetado', diz especialista
    Tags:
    mercado, fronteira, Paraguai, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar