19:57 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (24)
    13255
    Nos siga no

    Para cientista político José Niemeyer, a postura internacional do governo Bolsonaro pode deixar o Brasil isolado na arena global e comprometer as negociações para adquirir vacinas contra o novo coronavírus.

    Em live transmitida nesta quinta-feira (30) o presidente Jair Bolsonaro declarou que o Brasil está importando 100 milhões de doses de vacina produzida pela farmacêutica AstraZeneca e Universidade de Oxford.

    O presidente não mencionou, no entanto, que o Brasil também possui reservas de vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, vinculado ao governo de São Paulo.

    Ao exaltar a vacina inglesa, o presidente defendeu a sua superioridade tal como se defende um vinho, pela denominação origem. "Não é daquele outro país, não. Tá ok, pessoal?", disse o presidente, no que foi interpretado pela imprensa como uma clara referência à China.

    Essa não é a primeira polêmica do governo Bolsonaro com o país asiático. Membros do alto escalão do seu governo já culparam Pequim pelo avanço da COVID-19, recorrendo a termos como "vírus chinês" e "comunavírus".

    Para José Niemeyer, coordenador-geral do Programa de Relações Internacionais da Graduação e Pós-Graduação do Ibmec-Rio, a política externa do atual governo, bem como as recentes declarações do presidente sobre as vacinas, são um erro.

    "É uma política externa muito específica. Que vai contra a tradição da nossa política externa", disse José Niemeyer à Sputnik Brasil, reiterando que "essa diferença de conduzir a política externa brasileira é um erro, do ponto de vista do conceito de relações internacionais".

    O problema não seria somente o fato de a China ser o principal importador de produtos agrícolas como soja e derivados. Para o professor, já que o Brasil não pode ser definido como superpotência, declarar alianças e inimigos na arena internacional seria uma postura imprudente para um "representante máximo da República" e para um chefe de Estado.

    "O Brasil perde com isso. A sociedade brasileira perde com isso. As empresas que transacionam não só com a China, mas também com outros parceiros que não sejam Estados Unidos e Israel, os dois únicos países, ao que parece, que Bolsonaro e sua equipe enxergam como aliados, perdem", afirmou José Niemeyer.

    O cientista afirmou que a constante busca por inimigos externos e internos deve continuar sob a atual gestão do país, que busca "usar a política externa como palanque". A atitude, segundo ele, traz muitos problemas a longo prazo para o Brasil.

    "O presidente Bolsonaro erra ao escolher a China como um país que não tem a preferência do Brasil. O Brasil deveria voltar a fazer como sempre fez e ter uma agenda de política externa baseada no multilateralismo, na transparência, em respeitar o direito de todos os povos e nações, em ter uma postura cooperativa nas relações internacionais em temas de comércio, desarmamento nuclear, direitos humanos e meio ambiente", disse o interlocutor da Sputnik Brasil.

    Para o entrevistado, o Brasil não tem condições de sustentar uma "política externa alternativa" e unilateral, somente com EUA e Israel como aliados. Além disso, alertou Niemeyer, se o presidente Donald Trump não conseguir se reeleger em novembro, o governo brasileiro vai ficar extremamente isolado e precisará reconstruir toda sua relação com o novo governo americano.

    Além disso, o entrevistado lembrou que além da China, países como Rússia e diversos países europeus, que cada vez mais criticam o Brasil, também estão desenvolvendo vacinas contra o coronavírus. Nesse contexto, a negociação com esses mercados ficaria muito comprometida.

    "Essa opção por Estados Unidos e Israel, contrariando toda a nossa tradição de política externa, não é o que nos interessa", concluiu o especialista.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (24)

    Mais:

    Fome e vacina podem gerar nova onda de migração no mundo pós-COVID, alerta chefe da Cruz Vermelha
    Com vacina, COVID-19 corre risco de ser 'doença dos pobres', diz representante da Cruz Vermelha
    Rússia ganha toda a atenção no Twitter brasileiro com sua vacina contra COVID-19 quase registrada
    Rússia poderá receber permissão de uso da vacina contra COVID-19 em meados de agosto
    Tags:
    política internacional, Brasil, Jair Bolsonaro, COVID-19, análise
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar