12:42 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    2293
    Nos siga no

    No Dia Nacional da Caatinga, comemorado nesta terça-feira (28), a Sputnik Brasil ouviu um especialista para entender o processo que ameaça o único bioma 100% brasileiro.

    Estudo do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens e Satélites (Lapis), da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), aponta que 12,85% do semiárido brasileiro enfrenta o processo de desertificação.

    Para o engenheiro ambiental e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) David Zee, o processo ocorre porque o solo do local está sendo desgastado. 

    "Ao longo do tempo, a ocupação humana começou a degradar a vegetação da caatinga, ou seja, as pessoas usavam a madeira para fazer cercados, para ter energia em seu fogão caseiro. E isso foi destruindo a vegetação que estava adaptada para a região. Como ela não tem uma capacidade de reprodução e espalhamento muito grande, a velocidade com que o homem foi utilizando esse material e, principalmente, o crescimento do rebanho de caprinos, das cabras, promoveu a destruição das folhagens novas", afirma Zee à Sputnik Brasil. 

    O processo de desertificação, afirma o professor da UERJ, pode representar uma "quebra no ciclo natural" do bioma e causar o desaparecimento de espécies. "A preservação é extremamente importante para a viabilidade não só ambiental da região, mas principalmente social", diz Zee. 

    De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, a caatinga ocupa uma área de cerca de 844.453 quilômetros quadrados, cerca de 11% do território nacional. Os estados Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e o norte de Minas Gerais fazem parte do bioma. 

    A caatinga é lar de 178 espécies de mamíferos, 591 de aves, 177 de répteis, 79 espécies de anfíbios, 241 de peixes e 221 abelhas.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Presidente da Suzano alerta que desmatamento na Amazônia em 2020 será 'catastrófico'
    Embaixador alemão diz que acordo entre UE e Mercosul depende de redução de desmatamento do Brasil
    Brasil reduz medidas contra o desmatamento da Amazônia em meio ao coronavírus
    Falta de fiscais para combater desmatamento por conta da COVID-19 é perigosíssima, diz especialista
    Desmatamento no Brasil em 2020 tende a ser maior do que foi em 2019, diz especialista
    Tags:
    Jair Bolsonaro, desmatamento, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar