22:10 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Coronavírus se espalha pelo mundo (101)
    4472
    Nos siga no

    O epidemiologista americano Larry Brilliant, que alertou sobre o início da pior pandemia, disse à revista Wired como reduzir a incidência da COVID-19.

    Em 2006, o epidemiologista Larry Brilliant anunciou que o futuro da humanidade assistiria a uma epidemia sem precedentes de proporções globais. O médico usou a experiência adquirida durante a eliminação da varíola, gripe e pólio, alertando a comunidade mundial sobre o perigo.

    "Um bilhão de pessoas ficariam doentes", disse ele. "Morreriam até 165 milhões de pessoas. Haveria uma recessão e depressão global, e o custo para a nossa economia de 1 a 3 trilhões de dólares seria muito pior para todos do que apenas 100 milhões de pessoas morrendo, porque muito mais pessoas perderiam seus empregos e seus benefícios de saúde, sendo as consequências quase impensáveis."

    Pandemia mais perigosa

    Agora, as declarações de Brilliant não parecem tão irrealistas, escreve a publicação.

    Durante entrevista, Brilliant destacou que toda a comunidade epidemiológica há muito tempo vem falando sobre o fato de que uma pandemia maciça está prestes a chegar, sendo uma questão de tempo.

    De acordo com ele, esta é a pandemia mais perigosa "em toda a nossa vida". O médico sublinhou que a peculiaridade do novo coronavírus é que as pessoas não têm imunidade ao vírus, que pode infectar 7,8 bilhões de pessoas.

    O médico elogiou os passos que as autoridades em todo o mundo estão dando: restringir a circulação de pessoas, isolamento em casa e manter a distância.

    "Isso é ótimo, porque queremos espalhar a doença ao longo do tempo", ponderou.

    Tempo para criar vacina

    O especialista explicou que tais medidas dariam aos cientistas tempo para criar uma vacina contra o coronavírus e permitiriam "alcançar o querido objetivo dos epidemiologistas".

    Brilliant chamou a atenção para a importância dos testes universais de infecção na população.

    "Os testes podem ter um papel significativo. O que precisamos é de uma amostra probabilística aleatória em todo o país para entender onde o vírus realmente está", disse.

    Tubo de ensaio para teste de coronavírus, 29 de janeiro de 2020
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Tubo de ensaio para teste de coronavírus, 29 de janeiro de 2020

    Segundo Brilliant, as pessoas não devem negligenciar as máscaras médicas para se proteger. Para derrotar o vírus, as pessoas precisam entender sua propagação, desenvolver uma vacina e garantir que muitas pessoas tenham imunidade, complementou.

    De acordo com as estatísticas da Universidade Johns Hopkins, mais de 741 mil pessoas já foram infectadas, com 35 mil mortes em todo o mundo.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus se espalha pelo mundo (101)

    Mais:

    Bióloga descreve 'milagre' que poderia deter pandemia da COVID-19
    Rússia tem 3 medicamentos potencialmente eficazes no tratamento da COVID-19
    G20: Putin defende plano comum para recuperar economia mundial pós-pandemia
    Tags:
    vacina, quarentena, isolamento, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar