11:32 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)
    3174
    Nos siga no

    Um médico brasileiro que liderou um ensaio clínico de uma combinação de drogas e antibióticos contra a malária para tratar o novo coronavírus pediu cautela nesta quarta-feira, dizendo que os resultados iniciais podem levar duas semanas.

    Nesta quarta-feira, o Brasil deu sinal verde ao uso da cloroquina relacionada ao tratamento do coronavírus, apesar de sua eficácia ainda não ter sido comprovada. Nos EUA, o presidente Donald Trump se referiu à substância como "um divisor de águas".

    O julgamento da hidroxicloroquina, que está sendo liderado pelo Hospital Albert Einstein em São Paulo em conjunto com outros hospitais brasileiros, começou na segunda-feira e está testando a eficácia do medicamento em combinação com o antibiótico azitromicina em pacientes com COVID-19.

    Trump e o presidente brasileiro Jair Bolsonaro promoveram a hidroxicloroquina e a cloroquina como possíveis tratamentos para infecções por coronavírus, enquanto tentam amenizar as preocupações com o vírus e proteger suas economias das consequências do surto.

    "Por enquanto é apenas uma ilusão, tanto para [Bolsonaro] quanto para Trump", declarou Luiz Vicente Rizzo, médico do Hospital Albert Einstein.

    "Em algumas semanas, com um pouco de sorte, poderemos dizer, primeiro se funcionar, depois para quem trabalha e em que condições", prosseguiu. "Estou torcendo para que funcione, eu e todos os outros".

    Fachada do Hospital Israelita Albert Einstein
    © Foto / Rovena Rosa
    Fachada do Hospital Israelita Albert Einstein

    A linha do tempo de Rizzo parece contradizer Bolsonaro, que escreveu no Twitter nesta quarta-feira que os resultados poderiam ser divulgados nos próximos dias.

    "O tratamento [...] mostrou-se eficaz nos pacientes que estão sendo tratados. Nos próximos dias, esses resultados podem ser apresentados ao público, trazendo a atmosfera necessária de tranquilidade e serenidade para o Brasil e o mundo", disse Bolsonaro.

    Os médicos foram encorajados por relatos anedóticos de que a combinação dos dois medicamentos é eficaz. A hidroxicloroquina é um anti-malária e um anti-inflamatório usado para tratar doenças autoimunes.

    Outros estudos estão analisando a hidroxicloroquina por si só, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) está coordenando um estudo global sobre a cloroquina.

    Trump foi criticado por alguns cientistas por apoiar seu uso ainda não comprovado da droga. Um médico sênior da força-tarefa de coronavírus da Casa Branca, Anthony Fauci, afirmou que, embora Trump tivesse um "pressentimento" de que seria eficaz, eram necessários mais dados.

    Os perigos de tal promoção ficaram claros no início desta semana, quando um homem no estado do Arizona morreu após ingerir fosfato de cloroquina - um produto de limpeza de aquário semelhante aos medicamentos nomeados por Trump.
    Rizzo pediu paciência. "Espero que funcione [...] Vamos ver", concluiu.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)

    Mais:

    Aliado de Bolsonaro, Crivella anuncia reabertura do comércio no Rio, mas Witzel deverá barrar medida
    Trump fará conferência com líderes do G20 para discutir pandemia da COVID-19
    Crise da COVID-19 pode aumentar conflito social na América Latina, dizem analistas
    Tags:
    antibióticos, Jair Bolsonaro, Donald Trump, Hospital Albert Einstein, cura, malária, saúde, novo coronavírus, COVID-19, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar