06:09 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    3101
    Nos siga no

    Na desigual sociedade brasileira, os pobres e trabalhadores informais pagarão com mais vidas durante a pandemia do coronavírus, avalia sociólogo ouvido pela Sputnik Brasil.

    De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem mais de 38 milhões de pessoas trabalhando sem carteira assinada. A parcela responde por pouco mais de 40% do total dos empregados no país. 

    Com as medidas de restrição social e a diminuição da circulação das pessoas pelas cidades, esse segmento dos trabalhadores terá sua renda afetada. 

    Para tentar contornar a situação da pandemia, que é global, governos do mundo todo buscam injetar recursos em seus mercados domésticos.

    No Brasil, foram anunciadas medidas que podem injetar até R$ 169,6 bilhões na economia. Algumas das ações previstas são: antecipar o 13° dos aposentados e pensionistas, redirecionar o PIS/Pasep para o FGTS, abono salarial e pagamento de vales mensais de R$ 200 por três meses para trabalhadores informais. 

    Contudo, na avaliação de estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), as medidas são insuficientes para colocar a economia brasileira de volta nos trilhos. Segundo o órgão, o governo de Jair Bolsonaro "insiste na pauta liberalizante e de contenção fiscal, ao contrário do resto do mundo".

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o diretor técnico do Dieese, Fausto Augusto Júnior, afirma que o momento é de "proteger o conjunto da classe trabalhadora", mas a profunda desigualdade social brasileira fará com que a COVID-19 afete de maneira diferente os estratos sociais brasileiros. 

     "Temos pessoas nas periferias que não tem acesso à água encanada, ou a água encanada falta o dia inteiro" diz Augusto Júnior. "O esgotamento sanitário no Brasil é muito pior do que, por exemplo, na Itália, que tem o surto mais complicado nesse momento. Quando vamos olhar para uma pandemia desse jeito, vamos sentir como nossa desigualdade, não só no mundo do trabalho, mas a desigualdade de vida, de condições de vida, moradia e alimentação vão se apresentando. Essa crise vai penalizar os mais pobres e explicitar a desigualdade que o Brasil vive."

    O Brasil é o 9º país mais desigual do planeta, segundo classificação do Banco Mundial

    "Caminhamos para uma recessão global, e para fazer a economia do mundo voltar a girar, se [a crise] for como está sendo desenhada, vai ser muito custoso por um lado, vai cobrar um preço geral dos países por outro. As populações mais carentes dos países em desenvolvimento certamente serão mais afetadas", diz Augusto Júnior.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Bolsonaro diz que ministro de Minas e Energia testou positivo para coronavírus
    São Paulo registra mais 2 mortes de idosos causadas pelo novo coronavírus
    Portugal declara estado de emergência para combater o coronavírus
    Davi Alcolumbre, presidente do Senado, testa positivo para o novo coronavírus
    São Paulo confirma 4ª morte causada pelo novo coronavírus
    Tags:
    Brasil, desigualdade
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar