10:41 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    0 51
    Nos siga no

    O governo de Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, tentam organizar uma resposta aos impactos econômicos do coronavírus.

    Ainda em fevereiro, o Banco Central anunciou a redução da alíquota de recolhimento compulsório sobre recursos a prazo e a redução da parcela dos recolhimentos compulsórios considerados no Indicador de Liquidez de Curto Prazo dos bancos. As medidas podem trazer uma injeção de R$ 135 bilhões.

    Nesta semana, foram anunciadas outras medidas. Com o avanço do coronavírus no Brasil, e de medidas de limitação de circulação de pessoas, o ministério da Economia adotou outras ações para gerar liquidez, como antecipação do 13° de aposentados e pensionistas, redirecionamento do PIS/Pasep para o FGTS, abono salarial, entre outros.

    Bolsonaro disse que as medidas buscam satisfazer o "atendimento aos mais vulneráveis, à manutenção de empregos, reforços na saúde".

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o economista e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Josilmar Cordenonssi afirma que as medidas tentam demonstrar que a equipe econômica acompanha os impactos da COVID-19, nome da doença causada pelo coronavírus, na economia. 

    "As empresas vão sofrer um período de praticamente faturamento zero, enquanto têm que pagar salários e uma série de contas, impostos inclusive. É para tentar diminuir esse pânico, dizer que o governo ainda tem medidas, na medida do possível, ir liberando para dar apoio à sociedade como um todo", diz Cordenonssi. "Essa solidariedade vai ter que existir por toda a sociedade para poder enfrentar esse período. Entre patrões e empregados, credores e devedores e assim por diante".

    Ao redor do globo, bancos privados e governos anunciam medidas bilionárias para injetar dinheiro na economia e atenuar os efeitos da pandemia. 

    Cordenonssi avalia que os recursos anunciados pelas autoridades brasileiras são insuficientes, mas ressalta que o próprio governo sabe disso e que o cenário é difícil por conta da incerteza e dificuldade de fazer previsões. 

    "Estamos enfrentando um inimigo que não é conhecido, no máximo temos alguma antecipação pelo que está acontecendo na Itália e nos países europeus", diz o economista. "Todos os recursos que forem necessários para dar suporte à nossa população, tem que ser feito [tudo]".

    Mais:

    Eurocopa é adiada para 2021 devido ao surto de coronavírus, segundo Associação Norueguesa de Futebol
    OMS recomenda medicamento para autotratamento do coronavírus
    Brasil registra 1ª morte causada por novo coronavírus
    Médica explica principal diferença entre novo coronavírus, SARS e MERS
    Brasil tem 2ª morte pelo novo coronavírus, diz site
    Cientistas chineses começam a recrutar voluntários para testar vacinas contra novo coronavírus
    Tags:
    Jair Bolsonaro, economia, Paulo Guedes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar