13:36 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    15558
    Nos siga no

    O anúncio feito pela Argentina de que deixaria de vender trigo ao Brasil por falta de estoque pode ter um componente "político", disse a economista Anapaula Iacovino à Sputnik Brasil.

    A justificativa argentina para interromper as exportações do produto ao Brasil é o aumento das vendas para outros mercados, principalmente países asiáticos. Com isso, não haveria mais estoque de trigo disponível.

    Em entrevista para a Sputnik Brasil, Lacovino disse que atitude da Argentina pode ser mais "política" do que "econômica", uma retaliação a uma promessa feita pelo presidente Jair Bolsonaro de zerar as tarifas de importação do trigo oriundo dos Estados Unidos.

    "Causa um pouco de desconfiança de ser mais um comportamento político do que econômico. Trigo a argentina tem", afirmou a especialista em agronegócio e professora da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado).

    'Má vontade' entre nações

    Segundo ela, os desentendimentos passados entre Bolsonaro e o presidente argentino, Alberto Fernández, criam um clima de "má vontade" entre as duas nações.

    Bolsonaro se mostrou abertamente descontente com a eleição do colega argentino, que também criticou o brasileiro. Depois de muitos atritos, os dois países ensaiaram uma aproximação pragmática, com a visita do chanceler argentino, Felipe Solá, ao Brasil.

    "No momento em que há qualquer tipo de rusgas, qualquer tipo de atritos entre as principais lideranças, passa a existir uma certa má vontade de toda ordem, política e comercial. Nessa questão do trigo, não pode deixar de ser uma oportunidade para os argentinos responderem a uma provocação de Bolsonaro, que falou que faria um acordo de livre comércio na questão do trigo com os norte-americanos", disse a economista.

    'Elevar o tom'

    Iacovino, no entanto, ressaltou que os argentinos só se sentiram "confiantes" e "tranquilos" para "elevar o tom", interrompendo as vendas para o Brasil, após aumentarem as vendas para outros mercados.

    "Nos últimos meses a Argentina vem dialogando com outros países, buscando novos mercados, o fato é que sentiu confiança aumentado as exportações para a Ásia", afirmou.

    A analista disse que a situação vai afetar o "dia a dia" dos brasileiros, com aumento de preços de vários produtos.

    "Alguns analistas falam em aumento de 20% do pão, mas não será apenas o pãozinho, tem todo conjunto das massas, macarrão, tudo que depende da farinha de trigo vai sofrer um impacto", disse a professora.  

    A solução para o problema seria aumentar as compras de outros produtores. Iacovino cita União Europeia, Estados Unidos, o que pode ser "vantajoso" pela "proximidade política", Canadá, Índia e "até a "Rússia".

    Cidadão brasileiro pagará a conta

    A especialista, no entanto, frisou que mesmo com um aumento recente das tarifas de exportação impostas pela Argentina aos grãos, importar do país vizinho sempre foi mais barato.

    A economista afirmou também que a desvalorização da moeda brasileira frente ao dólar "deixa a importação de outros países ainda mais cara".

    "Dificilmente a gente vai conseguir evitar que o cidadão brasileiro pague essa conta. Quer pelas questões cambiais, quer pelas relações comerciais com a Argentina", afirmou Anapaula Iacovino.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Analista traz à tona 'processo de punição' executado por Brasil e EUA contra Argentina
    É impossível Uruguai se reerguer sem ajuda do Brasil e Argentina, diz especialista
    Primeira morte por coronavírus na América Latina é registrada na Argentina
    Tags:
    Crise, governo, Alberto Fernández, Jair Bolsonaro, importações, exportações, tarifas, comércio, Brasil, Argentina, trigo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar