15:45 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    351
    Nos siga no

    Técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) comentou o reajuste.

    Após críticas por aumento abaixo da inflação, o novo salário mínimo, corrigido, entra em vigor neste sábado.

    O governo anunciou o reajuste do valor do salário mínimo de R$ 1.039,00 para R$ 1.045,00, logo após a divulgação do INPC em janeiro, em que se constatou que o aumento anteriormente anunciado estava abaixo da inflação.

    Qual é o impacto da correção na economia?

    Sputnik Brasil conversou sobre o tema com Ilmar Ferreira, técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

    Ele defendeu a importância do reajuste para a economia como um todo.

    "Em geral são impactos positivos, porque significa maior renda em circulação e maior poder de compra para as pessoas que recebem remuneração próxima ao salário mínimo", explicou.

    Avaliando o impacto do atual reajuste, DIEESE espera um aporte de 29 bilhões de reais em termos de renda na economia e cerca de 16 bilhões de aumento da arrecadação tributária do governo sobre o consumo.

    ​No entanto, o valor do reajuste não traz ganho real ao trabalhador. O atual governo já deixou claro que não pretende seguir com a política de valorização do salário mínimo, adotada desde 2004, que corrigia o salário mínimo com base na inflação do período, acrescido de aumento real com base no crescimento da economia (Produto Interno Bruto) de dois anos antes. Se o cálculo fosse esse, o reajuste elevaria o piso para R$ 1.057,00.

    O salário mínimo "teve algum ganho desde 2004, ganhos reais e expressivos, de quase 78%", disse o entrevistado.

    "Agora a perspectiva daqui para adiante, com o fim da política de valorização, é que ele [salário mínimo] tende a estagnar. Ainda que ele não entre em uma trajetória de queda abrupta, como aconteceu nos anos 80, mas a perspectiva é não haver crescimento", acrescentou o técnico do DIEESE.

    Quanto ao valor do salário mínimo ser justo ou não, o interlocutor da Sputnik Brasil não teve dúvidas. Para atender as necessidades básicas de um trabalhador e de sua família, da forma determinada pela Constituição, o salário deveria ser de aproximadamente R$ 4 mil.

    "Esse cálculo que a gente faz e chama de salário mínimo necessário seria justamente para atender aquilo que está prescrito na Constituição. Que o salário mínimo deve ser capaz de prover o sustento de um trabalhador e sua família. Para atender sua necessidade de alimentação, educação, saúde, lazer, habitação etc. A gente faz essa conta de quanto deveria ser a remuneração mínima de um trabalhador e sua família com duas crianças. A gente estima esse valor próximo de R$ 4 mil que seria o mínimo necessário, atendendo o prescrito pela Constituição".

    Ilmar Ferreira destacou a importância de se lembrar que "se o salário é custo para alguém, ele é renda para outro". Esse dinheiro retorna para a economia novamente, ou seja "é uma via de mão dupla".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar