11:36 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    10184
    Nos siga no

    No Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, a Sputnik Brasil aproveita a data para falar com dois estudiosos sobre uma das faces da violência no Brasil: a perseguição religiosa. 

    De janeiro a outubro de 2019, a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa levantou que 176 terreiros foram fechados no Estado do Rio de Janeiro após ataques ou ameaças de traficantes. O levantamento foi originalmente publicado em reportagem da revista Época. 

    Ainda de acordo com a reportagem da revista Época, um grupo de traficantes conseguiu fechar, pela violência, todos os seis terreiros do Parque Paulista, bairro da cidade de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. O mesmo bairro abriga 15 igrejas evangélicas.

    O professor de sociologia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) José Cláudio Souza Alves avalia que há uma disputa por fiéis entre diferentes grupos religiosos e que as religiões evangélicas e africanas têm pontos em comum.

    "Há em comum entre o pentecostalismo e as religiões de matriz africana a dimensão fortemente mágica, da forma religiosa de existir e atuar no mundo. Isso é próprio das religiões da diáspora negra, africana. O pentecostalismo é criado em 1906 em Detroit por negros e depois se espalha pelo mundo", diz Alves à Sputnik Brasil.

    O professor da UFRRJ também destaca que há setores do campo pentecostal que buscam "demonizar" as religiões africanas e que alguns fiéis evangélicos ouvem esse discurso como "uma espécie de apoio ou estímulo à prática [de violência]".

    "O que restou na disputa social de projetos para vidas de jovens que estão envolvidos diretamente com o tráfico, o que restou foram as igrejas, então elas vão criar vínculos muito fortes com os traficantes para tirá-los dessa dimensão [do crime]", afirma Alves. "Na década de 1990 chegamos a ter quatro igrejas evangélicas sendo inauguradas por semana na Baixada Fluminense".

    O professor de Ciência da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Jorge Claudio Ribeiro ressalta a contradição de um grupo que supostamente reivindica Jesus realizar atos violentos.

    "O país não tem uma religião oficial, então essa intolerância parte de grupos ativos e crescentes. Mas que não representam de modo algum a mentalidade e atitude do povo brasileiro. Considero que atacar a religião de outros, ainda mais em nome de valores cristãos, é um contrassenso", diz Ribeiro à Sputnik Brasil. "Jesus não era sectário".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Escola nos EUA é acusada de racismo por representar atirador como 'muçulmano' em exercício
    Na véspera do Dia da Consciência Negra, deputado quebra quadro sobre racismo
    Brancos precisam participar do debate sobre racismo no Brasil, diz especialista
    Após quebrar quadro em exposição na Câmara, deputado pede fim do racismo
    Ao ler Constituição em live, Bolsonaro cita 'terrorismo', mas omite palavra 'racismo'
    Tags:
    religião, Brasil, violência
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar