04:48 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Indicado para ser o novo embaixador americano no Brasil, Todd Chapman discursa no consulado dos EUA em São Paulo em 2011.

    Há uma aproximação ideológica entre novo embaixador dos EUA e Bolsonaro, diz analista

    © Folhapress / Moacyr Lopes Junior
    Análise
    URL curta
    569
    Nos siga no

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, oficializou a indicação nesta quarta-feira (16) de Todd Chapman para ocupar o cargo de embaixador dos EUA no Brasil.

    Antes de assumir, Chapman ainda precisa passar por uma aprovação no Senado dos EUA, onde o partido republicano é maioria.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Paulo Velasco, chefe do Departamento de Relações Internacionais da UERJ, disse que Trump indica um funcionário de carreira para o cargo.

    "É um diplomata experiente, acho que esse é um ponto fundamental. Vale dizer que nos Estados Unidos é muito comum a indicação de embaixadores e chefe da missão diplomática de fora do serviço exterior norte-americano. Em via de regra empresários, doadores de campanha. Esse não é o caso do Todd Chapman", analisa.

    Se aprovado, essa será a segunda embaixada norte-americana ocupada por Chapman. Entre 2016 e junho de 2019, o diplomata ocupou o cargo de embaixador no Equador, quando foi nomeado durante o governo de Barack Obama.

    Segundo Paulo Velasco, Trump buscou um nome que entenda a aproximação entre os EUA e o Brasil.

    "Trump queria indicar um nome que conhece a realidade brasileira em um contexto em que temos testemunhado de uma grande aproximação bilateral entre os dois países, impulsionada pelos interesses do presidente Bolsonaro e do chanceler Ernesto Araújo", disse.

    Chapman também atuou em outros cargos diplomáticos no Afeganistão, na Bolívia, na Costa Rica, em Moçambique, na Nigéria, em Taiwan e em Uganda.

    Paulo Velasco disse que há também uma aproximação ideológica entre Chapman e Bolsonaro.

    "O Chapman é um homem de confiança, é alguém muito comprometido com as críticas a uma bandeira de esquerda na América Latina. Então convém muito com a lógica de Trump com relação ao Brasil, com o governo Bolsonaro e o chanceler Ernesto Araújo, é uma figura que se encaixa bem com o momento político brasileiro", completou.

    O último embaixador dos EUA no Brasil foi Michael McKinley, indicado por Barack Obama em 2016, que deixou o posto o fim de 2018.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Bolsonaro se alia mais com Trump do que com os EUA e isso não é bom sinal, diz especialista
    Pompeo: novo embaixador americano irá reforçar cooperação entre Moscou e Washington
    Imprensa: Bolsonaro suspende indicação do filho para embaixada nos EUA
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Donald Trump, embaixador, Embaixada dos EUA, Brasil, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar