20:50 21 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Fraco crescimento dos mercados emergentes

    Economia brasileira se recupera de forma lenta, mas gradual, dizem especialistas

    © flickr.com/ Ken Teegardin
    Análise
    URL curta
    Por
    131419
    Nos siga no

    Apesar do crescimento lento, a economia brasileira demonstra sinais de recuperação. O caminho para o um desenvolvimento pleno, no entanto, é de longo prazo, dizem especialistas.

    O PIB do segundo trimestre, com o avanço de 0,4% e o dobro das projeções das principais instituições financeiras, surpreendeu o mercado. No entanto, o Brasil segue se recuperando em um ritmo muito baixo, apesar das reformas liberais empreendidas pelos dois últimos governos.

    A taxa de investimento do país, por exemplo, que mede o nível de investimentos de empresas e do governo, segue muito abaixo dos patamares pré-crise.

    Em 2018, o indicador de Formação Bruta de Capital Fixo, que mede recursos para a aquisição de máquinas e equipamentos, e para projetos de construção e inovação, foi de 15,8% do PIB, um dos menores do mundo.

    ​Para Marcel Balassiano, economista da FGV-Ibre – Instituto Brasileiro de Economia, que conversou com Sputnik Brasil, a recuperação está, de fato, sendo muito lenta. Pare ele, esse é o reflexo de quatro anos de crescimento negativo e não há outra saída, a não ser seguir com as reformas apresentadas pelo governo, a começar pela Reforma da Previdência.

    "A Reforma da Previdência é para a gente parar de piorar. Para a gente crescer mais, outras reformas precisam ser feitas, de modo a atrair mais investimentos", disse o economista.

    Para ele, há muito caminho pela frente, e a jornada não será fácil, em função do fator político envolvido no processo.

    "A Reforma Tributária é a bola da vez no Congresso, uma simplificação tributária é importante para os investimentos voltarem. O ambiente dos negócios no Brasil, uma melhoria nesse setor é importante para o pais se desenvolver mais. A MP da Liberdade Econômica vai nesse sentido de desburocratizar de simplificar um pouco para os negócios", explicou o especialista.

    No entanto, o país ainda deve demorar para retomar um ritmo mais acelerado de crescimento, pois todas as medidas mais eficientes são de longo prazo. Já as medidas de curto prazo, como a redução da taxa de juros básicos, hoje uma das mais baixas no ciclo histórico do país, já foram adotadas e não estão surtindo o efeito desejado.

    "O aspecto negativo é que essas reformas demandam tempo, precisam de aprovação do Congresso, ou seja, mais tempo ainda. E os benefícios delas só virão mais pra frente. E nos temos um problema muito grave hoje em dia que são os 13 milhões de desempregados, além de outros milhões de desalentados, que desistiram de procurar emprego", acrescentou Balassiano.

    ​Não chore ainda não

    O professor dos cursos de MBA da Fundação Getúlio Vargas, Mauro Rochlin, concordou com a avaliação de seu colega da FGV.

    Em entrevista para Sputnik Brasil, Rochlin lembrou que há menos de 10 anos a taxa de investimento do Brasil já chegou a 22%. Portanto, o atual nível do índice no país certamente é motivo de preocupação.

    Para o professor, o governo precisa avançar as reformas econômicas e partir para o desenvolvimento do setor de infraestrutura e do setor de petróleo gás. Essa seria a forma mais eficaz de retornar à dianteira no que tange o investimento estrangeiro.

    No entanto, o interlocutor da Sputnik salientou que as ferramentas estão disponíveis e que, apesar da crise, o Brasil ainda é um grande polo de atração de investimentos estrangeiros.

    "O Brasil ainda é um país que atrai investimento produtivo estrangeiro em grande monta. A gente tem entrada que varia entre US$ 80 e 90 bilhões anuais de investimento estrangeiro direto. Brasil já foi um dos grandes destinos deste capital e tem todas as condições de se manter na dianteira dos países que atraem capital estrangeiro", declarou o acadêmico.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Confederação Nacional do Comércio estima crescimento de 0,9% no PIB brasileiro em 2019
    Brasil ainda segue com perspectiva de PIB per capita em redução, diz economista
    Bolsonaro comemora crescimento do PIB: 'estamos no caminho certo'
    Tags:
    análise, especialistas, taxa de juros, investimentos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar