15:38 10 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Liaoning, primeiro porta-aviões da China, navegando durante exercícios militares no Pacífico

    Estarão EUA perdendo hegemonia estratégica no Pacífico para China?

    © AFP 2019 / Stringer
    Análise
    URL curta
    11371
    Nos siga no

    O reforço estratégico da China na região do Pacífico irá contribuir para estabilização da situação, porque os EUA não se atreverão a entrar em aventuras militares, disse o analista político e militar Konstantin Sivkov.

    Em entrevista à Sputnik China, o especialista militar destacou as principais conclusões do relatório do Centro de Estudos dos EUA na Universidade de Sydney, que evidencia alterações acentuadas no equilíbrio estratégico a favor da China.

    O relatório publicado hoje, 19 de agosto, aponta que os EUA já não possuem a supremacia militar na região do Pacífico. Os militares estadunidenses se transformaram em uma "força degradante", que está "perigosamente sobrecarregada" e "mal preparada" para fazer frente à China, afirma o relatório.

    Por outro lado, a China, graças ao considerável investimento em sistemas militares avançados, adquiriu capacidade de desafiar a ordem estabelecida na região.

    Os autores do relatório salientam que a China investiu seus recursos em desenvolvimento de mísseis balísticos de alta precisão, bem como em outros sistemas capazes de restringir as capacidades dos EUA de efetuarem uma invasão militar rápida na região.

    Navios da Marinha chinesa participam de manobras no mar Amarelo
    © East News / Liu Zheng/Color China Photo/AP Images
    Navios da Marinha chinesa participam de manobras no mar Amarelo

    Fazendo uma avaliação do balanço de forças na região do Pacífico, o especialista disse que neste momento os Estados Unidos ainda possuem superioridade sobre a China no que diz respeito ao armamento naval graças às suas forças aeronavais. No entanto, no que toca às forças terrestres, a China supera sem dúvida os EUA tanto em quantidade como em qualidade do equipamento.

    China aposta no desenvolvimento de sistemas militares avançados

    "Durante os últimos anos, entraram em serviço [na Marinha chinesa] 17 navios da classe de contratorpedeiros. Estas embarcações, comparando suas características, são semelhantes aos destróieres da classe Arleigh Burke pertencentes à Marinha dos EUA. Contudo, as forças estadunidenses só receberam duas unidades deste tipo ao longo do mesmo período. A China executou testes de um míssil hipersônico antinavio. Podemos seguramente afirmar que, nos próximos anos, estes mísseis se tornem operacionais na Marinha chinesa, enquanto os EUA não possuem este tipo de mísseis", disse o especialista militar.

    "A tendência é a China estar alcançando os EUA em capacidade militar das suas forças polivalentes, que se vai equilibrar no futuro próximo, e posteriormente irão superar o potencial dos EUA. O reforço estratégico de Pequim na região do Pacífico contribuirá para a estabilização da situação, sendo que nestas circunstancias Washington não irá se meter em aventuras militares", acrescentou Konstantin Sivkov.

    De acordo com o relatório do Centro de Estudos dos EUA na Universidade de Sydney, quase todas as bases militares dos aliados e parceiros dos EUA no Pacifico Ocidental sofrem escassez de infraestruturas fortificadas. Os aliados dos EUA, particularmente o Japão, Austrália e Filipinas, estão cada vez mais conscientes da vulnerabilidade da sua segurança devido à incapacidade estratégica dos EUA em protegê-los.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    EUA serão culpados se conflito com Pequim ocorrer no mar do Sul da China, diz pesquisador
    Análise: 'É quase impossível que EUA derrotem Irã com um grupo de 120 mil soldados'
    Tags:
    Marinha dos EUA, Marinha chinesa, forças militares, hegemonia, Pacífico, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar