09:43 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Avião de combate dos EUA EA-18G Growler se prepara para aterrissar na base aérea norte-americana em Pyeongtaek, Coreia do Sul, 4 de dezembro de 2017

    Manobras de Washington e Seul podem resultar na surpresa das 2 guerras mundiais

    © AP Photo/ Ahn Young-joon
    Análise
    URL curta
    19216

    Estados Unidos e Coreia do Sul deram início às maiores manobras na história de suas Forças Aéreas. O analista militar Oleg Ponomarenko, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, falou que estes exercícios podem marcar desenvolvimento dos eventos futuros.

    Em meio aos testes nucleares da Coreia do Norte, na segunda-feira (4), foram iniciados os exercícios militares Vigilant ACE que, segundo fontes sul-coreanas, serão os maiores da história: com participação de cerca de 230 aviões, incluindo seis caças furtivos F-22.

    Segundo a agência sul-coreana Yonhap, nos exercícios Vigilant ACE será usado o bombardeiro B-1 Lancer da Força Aérea dos EUA, seis aviões de combate norte-americanos EA-18G Growler, cerca de dez caças F-15 e o mesmo número de F-16.

    Segundo declarou o Ministério da Defesa da Coreia do Sul, os exercícios visam demonstrar a vontade e capacidades de Washington e Seul de reagir às "provocações da Coreia do Norte" com os lançamentos de mísseis balísticos.

    Em 29 de novembro, a Coreia do Norte lançou com sucesso o míssil balístico intercontinental Hwasong-15 capaz de atingir o alvo a 13 quilômetros de distância e, consecutivamente, cobrir todo o território dos EUA.

    Segundo comunicou a edição do Ministério da Defesa da Coreia do Sul Kukpan Ilbo, durante audiências no parlamento do país, militares declararam que as manobras, que serão finalizadas no dia 8 de dezembro, contarão com caças norte-americanos F-22 e F-35A para treinar destruição de lançadores móveis de mísseis e artilharia da Coreia do Norte, bem como desembarque em território do inimigo.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista do Centro de Conjuntura Estratégica, Oleg Ponomarenko, destacou que justamente estes exercícios podem vir a provocar conflito militar. Estados Unidos estão ultrapassando limites para enfraquecer a Coreia do Norte, acredita o especialista.

    "Julgando pela composição das forças empregadas nos exercícios, a meta é resistir à defesa antiaérea da Coreia do Norte, violar comando de suas tropas e atacar seu território. Assim, norte-americanos 'vem trabalhando' nos últimos dez anos em outros países. E isso, de fato, é um sério treinamento e uma das opções do que pode ser na realidade."

    Por enquanto, parece uma "brincadeira com armas". "Mas o perigo é evidente: pode resultar em algo como nas guerras mundiais, ninguém esperava, mas acabaram acontecendo. Essa probabilidade está sempre presente, ainda mais agora com 'o grau' altíssimo de tensão na região."

    Mesmo assim, Ponomarenko considera que, por enquanto, tudo permanecerá sem mudanças drásticas, sendo tal realidade nada otimista. "E o racionalismo dos EUA e Coreia do Sul: brandindo armas, eles se encontram em uma situação mais vantajosa – gastar em metas militares favorece somente eles, de antemão pode deixar Coreia do Norte exausta", concluiu Oleg Ponomarenko.

    Mais:

    Coreia do Sul cria unidade para eliminar líderes da Coreia do Norte
    Exercícios conjuntos dos EUA e Coreia do Sul são 'ensaio de agressão' contra Pyongyang
    Manobras dos EUA e Coreia do Sul comprovam término do 'período de silêncio'?
    Tags:
    armas, otimismo, guerra mundial, tensão, manobras, B1-B Lancer, Growler, F-16, F-15C, Ministério da Defesa da Coreia do Sul, Coreia do Sul, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar