12:54 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e presidente dos EUA, Barack Obama

    Putin - 'Estadista de primeira classe, diplomata e excelente enxadrista' - não se renderá

    © Sputnik / Aleksey Nikolskyi
    Análise
    URL curta
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)
    36790

    O establishment político ocidental deveria desistir de suas vãs tentativas de intimidar Moscou: “a Rússia não vai desistir, muito menos se render”, segundo afirmou Peter Koenig, analista de geopolítica e ex-economista do Banco Mundial, em artigo para o Global Research.

    A Conferência de Paz de Viena sobre a Síria, a vitória política do Presidente Recep Tayyip Erdogan na Turquia, a queda do Airbus A321 russo no Egito e a fase ativa dos exercícios Trident Juncture da OTAN – os maiores realizados pela aliança em uma década –, todos esses eventos aconteceram quase que simultaneamente, mas poderiam estar mais interligados do que sugere a mera coincidência, segundo o artigo de Koenig. 

    “Também poderiam ser muitos tentáculos do ditador mundial postos em ação ao mesmo tempo", disse o analista, se referindo aos EUA.

    "Entendamos um ponto claramente: enquanto Washington estiver vivo, ou seja, economicamente ainda funcionando, respirando pesadamente, mas ainda funcionando – enquanto este for o caso, o centro de comando das operações corporativas e militares, Washington-Pentágono, não vai largar a Síria, o Irã, o Iraque – e o resto do Oriente Médio e do Norte da África", escreveu Koenig.

    O economista sugeriu que os esforços do secretário de Estado dos EUA, John Kerry, para arranjar uma nova rodada de negociações de paz sobre a Síria em Viena foram absolutamente vãos, uma vez que a parte mais interessada na questão – isto é, a própria Síria – não foi convidada a participar da reunião.

    "Como pode uma conferência internacional discutir o destino de um país que nem sequer é convidado a participar?", perguntou-se o analista, descrevendo a situação como “um tapa na cara da democracia, dos direitos humanos, de qualquer nação soberana – um tapa na cara de qualquer senso comum”.

    No entanto, as partes envolvidas nas negociações parecem ter chegado a um acordo. Acreditava-se que as conversações continuariam na próxima sexta-feira (6), mas, inesperadamente, segundo Koenig, "a oposição encontrou algumas objeções que suspendem a próxima reunião de paz em Genebra".

    Classificando toda essa conjuntura como uma “farsa”, o economista afirma que, na verdade, Washington espera conseguir um cessar-fogo apenas como uma solução provisória, para que a Força Aérea da Rússia pare de atacar os terroristas na Síria e, assim, “o ‘Mestre’ [ou seja: os EUA], a OTAN e os seus fantoches possam se reagrupar e pensar novas estratégias", enquanto o Estado Islâmico, por sua vez, ganha um tempo para respirar e se reabastecer.

    Koenig também observou que as “negociações de paz” podem se arrastar por anos a fio, à semelhança do que foi feito com o Irã durante as negociações do acordo nuclear – quer dizer, afirmando-se uma ameaça nuclear imaginária que nunca existiu.

    No entanto, de acordo com o analista, a Rússia não vai permitir que tal cenário se imponha pela vontade exclusiva dos EUA.

    Segundo Moscou, os objetivos da Rússia na Síria são absolutamente claros e transparentes: a Força Aérea russa está ocupada em erradicar o terrorismo na região.

    Ao mesmo tempo, os planos de Washington são mais complicados, de acordo com Koenig. Os EUA estariam tentando caotizar toda a região do Oriente Médio e do Norte da África, a Síria sendo a próxima da fila, para formar um cenário similar ao da Líbia e do Iraque – “todos com riquezas em petróleo e gás", segundo ressaltou o analista.

    "O cerne da questão não é o domínio da região unicamente pelo petróleo ou pelo poder – mas por razões econômicas. A Síria é um elo crucial para os gasodutos abastecerem a Europa e o sul da Ásia com energia do Irã – e com energia que não pode ser faturada em dólares, mas em euros, rublos, yuans ou qualquer outra moeda que os parceiros comerciais participantes possam querer utilizar. Trilhões de dólares atualmente em necessidade e circulação vão se tornar supérfluos", explicou Koenig.

    Assim, segundo ele, perder o domínio sobre a região significaria para os EUA um declínio ainda mais rápido de sua hegemonia mundial, de modo que não haveria nenhuma surpresa em imaginar os tentáculos de Washington por trás dos últimos acontecimentos aparentemente desconectados no noticiário internacional. Afinal, segundo bem lembrou o analista, os EUA têm um histórico bastante vergonhoso no que diz respeito a forjar pretextos para intervir nos assuntos de outros países.

    “Por que eles [os EUA] se acanhariam em continuar aplicando as mesmas táticas diabólicas para alcançar o seu objetivo na Síria – e, finalmente, sobre toda a região do Oriente Médio e Norte da África – e no mundo inteiro? Washington tem um histórico terrível em falsas bandeiras, incluindo o Golfo de Tonkin e a Baía dos Porcos, para não falar do 11 de setembro”, alfinetou.

    Apesar de tudo, diz Koenig, nem a Rússia nem a Síria vão ceder aos projetos belicistas de Washington. O futuro da Síria, afinal, deve ser e será definido por seu próprio povo, como tem afirmado o presidente russo Vladimir Putin, segundo citado pelo analista no artigo do Global Research. 

    “Não há motivo de desespero. A Rússia não vai desistir, muito menos se render. Há muito em jogo para a Rússia também. Além de apoiar o soberanamente eleito Bashar Assad, o porto sírio de Latakia é uma das principais bases mediterrânicas da Marinha russa. Ele seria perdido se a Síria fosse pelo caminho da Líbia e do Iraque. Isso não pode acontecer. O líder da Rússia é um estadista de primeira classe, um diplomata – e um excelente jogador de xadrez”, concluiu Koenig. 

    Tema:
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)

    Mais:

    Caças russos partem para ‘sorties’ contra terrorismo da base de Hmeymim na Síria
    Chanceler russo e enviado da ONU para a Síria discutem situação
    Pela primeira vez, Rússia usou informações passadas pela oposição síria contra terroristas
    Militares dos EUA treinam combatentes da oposição na Síria, em região sem presença do EI
    Tags:
    diplomata, estadista, gás, teorias da conspiração, acordo, negociações de paz, A321, Airbus, queda, avião, porto, petróleo, hegemonia, terrorismo, geopolítica, xadrez, guerra, Invasão da Baía dos Porcos, 11 de setembro, Conferência de Paz de Viena, Trident Juncture 2015, Pentágono, OTAN, Estado Islâmico, Recep Tayyip Erdogan, Peter Koenig, John Kerry, Vladimir Putin, Iraque, Irã, Turquia, Egito, Mar Mediterrâneo, Latakia, Norte da África, Oriente Médio, EUA, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik