15:50 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Cubano acena positivamente de sua varanda decorada com as bandeiras dos EUA e de Cuba

    Ex-oficial da CIA: Nova Geração de cubano-americanos deseja o fim do embargo

    © AFP 2019 / YAMIL Lage
    Análise
    URL curta
    Normalização de relações entre Cuba e EUA (67)
    0 01
    Nos siga no

    O ex-oficial da CIA da área de contraterrorismo John Kiriacou afirmou que a nova geração de cubanos nascidos nos EUA deseja o fim do embargo comercial à Cuba e do boicote de mais de meio século que existe contra a Ilha.

    "Existe agora um grande apoio na Flórida para o levantamento das sanções, mesmo entre os republicanos", afirmou Kiriacou. "Os interesses do comércio por parte dos EUA, especialmente do sul, estão fortemente a favor de que as sanções terminem".

    Abertura da embaixada norte-americana em Cuba na sexta-feira, 14 de agosto.
    © AP Photo / Pablo Martinez Monsivais, Pool
    No passado, até mesmo presidentes democratas como Jimmy Carter e Bill Clinton mantiveram as sanções contra Cuba por causa da pressão maciça feita pela comunidade cubano-americana, especialmente na Flórida, reconheceu Kiriacou.

    Sucessivos presidentes não podiam se dar ao luxo de ignorar este círculo eleitoral porque Florida é o quarto estado mais populoso dos Estados Unidos, e crucial no balanço das últimas eleições presidenciais, explicou.

    No entanto, uma mudança demográfica e psicológica enorme varreu a comunidade cubano-americana no século 21, apontou o analista.

    "A geração mais velha que se opôs ao levantamento das sanções morreu em grande parte fora [de Cuba], enquanto muitos daqueles que ainda estão vivos mudaram seus pontos de vista ao longo dos anos", afirmou Kiriacou.

    O senador Marco Rubio da Florida continua a assumir uma posição forte contra a suspensão das sanções em sua atual campanha presidencial, mas, até agora, ele não conseguiu atrair apoio significativo, mesmo da parte do núcleo linha dura tradicional do Partido Republicano.

    "Rubio não é mais representativo das opiniões da comunidade cubano-americana sobre esta questão", explicou Kiriacou.

    Por causa da mudança, "ainda surge como uma possibilidade que um Congresso republicano possa levantar as sanções", observou.

    O partido Republicano tem sido tradicionalmente a principal expressão política da comunidade de negócios nos Estados Unidos, e os interesses dos negócios hoje esmagadoramente envolvem o levantamento das sanções para que possam negociar com Cuba e investir na ilha, afirmou.

    "Não há nenhuma desvantagem em melhorar as relações. Há apenas boas notícias", insistiu Kiriacou. "É melhor para o turismo e é melhor para a economia".

    Sanções nunca funcionaram, observou Kiriacou, e o comportamento moderado de Cuba ou a tentativa de obrigar o país a melhorar seu registro interno de direitos humanos nunca ameaçou a estabilidade política do governo em Havana.

    "A única coisa que as sanções fizeram foi prejudicar cidadãos cubanos comuns, fabricantes e agricultores norte-americanos," Kiriacou concluiu.

    Em dezembro de 2014, o presidente Barack Obama anunciou que sua administração iria prosseguir no caminho para normalizar as relações com o governo de Cuba.

     

    Nesta sexta-feira (14), o secretário de Estado John Kerry viajou para Cuba para participar da cerimônia de reabertura da embaixada dos Estados Unidos em Havana.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Normalização de relações entre Cuba e EUA (67)

    Mais:

    EUA resistem em devolver Guantánamo a Cuba por temer concessão à Rússia
    Cuba x EUA: Fim do embargo econômico deve demorar
    Prisão Guantánamo dificulta ações “de fachada” dos EUA em Cuba
    Relações Washington-Havana: EUA têm na agenda mudança de regime em Cuba
    Tags:
    embaixada, relações diplomáticas, embargo, sanções, Partido Republicano, Bill Clinton, Jimmy Carter, Marco Rubio, John Kiriakou, Barack Obama, Cuba, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar