02:29 04 Março 2021
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    249
    Nos siga no

    O senador irlandês Ned O'Sullivan afirmou que a Rússia e seu presidente, Vladimir Putin, estariam supostamente envolvidos no desaparecimento do golfinho Fungie do porto de Dingle, no condado de Kerry, na Irlanda.

    De acordo com o jornal Irish Post, Fungie desapareceu há cerca de três meses. "Muitos especulam que poderia estar morto, enquanto outros supõem que tenha se distanciado, mas outra teoria, incrivelmente, sugere que a culpa é da Rússia."

    "Poderiam ser os russos. Poderia ser Putin", sugeriu Ned O'Sullivan.

    Alguns opinam que o uso de tecnologia de localização em águas irlandesas afeta a circulação de baleias e de golfinhos, podendo resultar em danos para os animais marinhos. Deste modo, esta poderia ser uma explicação para o desaparecimento do golfinho Fungie.

    Golfinho Fungie rodopiando no ar. Fungie seria um dos golfinhos mais velhos já registrados, tendo pelo menos 67 anos. O cetáceo seria, de igual modo, umas das maiores atrações turísticas de Keery, na Irlanda
    Golfinho Fungie rodopiando no ar. Fungie seria um dos golfinhos mais velhos já registrados, tendo pelo menos 67 anos. O cetáceo seria, de igual modo, umas das maiores atrações turísticas de Keery, na Irlanda
    A mídia irlandesa sublinhou que o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou o aumento do uso deste sistema de sonar "para vigiar o movimento das embarcações britânicas".

    No entanto, os próprios autores do artigo admitem que a atribuição da culpa do desaparecimento do golfinho em causa à Rússia parece, em si, uma ideia "absurda".

    Mais:

    Revelados detalhes de novo complexo tático russo de mísseis para drones Okhotnik
    'Projeto falido': por que os F-35 americanos não servem para a guerra?
    'Grande raridade': fósseis de dinossauros da Irlanda do Norte impressionam cientistas (FOTOS)
    Tags:
    desaparecimento, golfinho, Vladimir Putin, Rússia, Irlanda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar