14:13 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    227
    Nos siga no

    O governo britânico prometeu enviar navios militares da Marinha Real para manter as embarcações de pesca da UE fora de suas águas a partir de 1º de janeiro. Porém, os ambientalistas afirmam que tem de haver ações mais duras contra as frotas holandesas.

    Ativistas ambientais apelaram ao governo britânico que expulsassem os grandes navios de arrasto europeus das águas britânicas, após o surgimento de cadáveres de golfinhos e toninhas.

    Desde o dia 18 de novembro, cerca de uma dezena de navios de arrasto dos Países Baixos têm permanecido em águas britânicas, inclusive em Áreas de Proteção Marinha.

    O Greenpeace e outros grupos locais ligaram tais mortes ao fato de navios-fábrica holandeses se apressarem a apanhar todo o peixe que conseguirem, ainda usufruindo de seus direitos de pesca até o final de dezembro, quando também termina o período de transição pós-Brexit, segundo contou Will McCallum, responsável pelos oceanos no Greenpeace, ao jornal The Independent.

    Pescador de navio de arrasto apanhando o máximo que pode no Canal da Mancha até ao final do período de transição pós-Brexit
    © AP Photo / Michel Spingler
    Pescador de navio de arrasto apanhando o máximo que pode no Canal da Mancha até ao final do período de transição pós-Brexit

    O governo de Boris Johnson prometeu enviar navios-patrulha e helicópteros armados da Marinha Real, de modo a evitar a entrada de embarcações de pesca da França e outros países da UE em suas águas. Porém, os ativistas do Greenpeace creem que isso não vai bastar.

    Na sexta-feira (11), o Brighton Dolphin Project encontrou uma toninha morta em uma praia de Sussex com sua cauda cortada, sendo já a quinta que partilha este trágico destino só neste mês na região. Às vezes, os pescadores desmembram mamíferos marinhos apanhados, para que possam ser retirados das redes sem causar danos nas mesmas.

    Thea Taylor, pesquisadora do Brighton Dolphin Project, lamenta que "apesar do governo do Reino Unido já ter reconhecido as espécies de cetáceos como protegidas por lei, a captura [e matança] destes por embarcações-fábrica de arrasto continua".

    Este grave problema não é limitado a Sussex, no extremo leste do canal da Mancha. Nas praias de Devon, quatro golfinhos foram encontrados sem vida, também com marcas de corte em seus bicos e barbatanas.

    Na quinta-feira (10), o Dorset Echo entrevistou pescadores locais que, por sua vez, contaram que os grandes navios de arrasto estavam dizimando tanto o estoque de peixe como de golfinhos.

    O Departamento do Ambiente do Reino Unido declarou que vai "decidir que tipo de embarcações, incluindo grandes navios de arrasto, podem aceder e pescar em nossas águas", acrescentando que tanto embarcações nacionais como estrangeiras teriam de seguir as regras de acesso e sustentabilidade do Cinturão Azul do Reino Unido. Já o Partido Trabalhista se opôs, afirmando que o país não deveria "ter grandes navios de arrasto em águas britânicas de todo".

    Mais:

    Peixe 'impiedoso' pode atacar submarinos e devorar tudo e todos no Triângulo das Bermudas
    Secretário-geral da ONU: líderes mundiais devem declarar 'estado de emergência climática'
    'Ambas partes perdem no Brexit, mas Reino Unido perde mais', diz estudo
    Tags:
    Canal da Mancha, meio-ambiente, golfinho, Brexit, União Europeia, Reino Unido, Sussex
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar