21:05 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    Um macaco na Índia atacou e feriu mais de 250 pessoas, vindo a matar uma vítima. Todas as tentativas de acalmar e reabilitar o animal falharam, restando apenas "prisão perpétua" em um zoo.

    Um macaco de seis anos no estado indiano de Uttar Pradesh foi preso para a vida em um zoo depois de atacar e ferir mais de 250 pessoas, e matar outra, relata o diário Rajasthan Patrika. Segundo um médico do zoo, "ele continua tão agressivo como era" antes de ser levado ao local há três anos.

    Chamado Kalua, o primata pertencia a um ocultista do distrito Mirzapur, sudeste do estado, sendo alimentado por uma dieta à base de carne e álcool abundante. No entanto, seu dono acabou morrendo.

    Como resultado, o macaco caiu na tristeza e acabou descarregando sua frustração com ataques agressivos a pessoas, dentre elas 30 crianças e um número desproporcional de garotas e mulheres, que foram forçadas a recorrer à cirurgia plástica, como vítimas. O macaco também atacava outros macacos quando era colocado na mesma gaiola.

    Foi excluída a possibilidade de coronavírus haver alguma ligação com a agressividade, pois o macaco já era agressivo antes de a pandemia chegar à Índia.

    Funcionários do zoo tentaram acalmar Kalua com uma dieta vegetariana, ao invés de carne e álcool, mas sem sucesso. O macaco continuou sendo agressivo, particularmente contra mulheres funcionárias do zoo, por isso a organização decidiu não libertá-lo na selva, como pretendia fazer.

    Em maio, também em Uttar Pradesh, macacos atacaram um técnico de laboratório da Faculdade de Medicina de Meerut, roubando amostras de sangue de testes para COVID-19.

    Mais:

    Macacos desocupados torram a paciência de vacas em templo na Índia
    Macaco dirigindo minimoto tenta 'sequestrar' criança (VÍDEO)
    Tailândia presencia invasão de 'exército' de macacos
    Tags:
    Uttar Pradesh, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar