04:28 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Objetos litúrgicos

    'Quando você ouve a voz do demônio, imediatamente a reconhece', diz exorcista

    CC0 / Pixabay
    Mundo insólito
    URL curta
    282

    O número de italianos que recorrem para o exorcismo é cada vez maior. Em abril, em Roma até mesmo decorrerá um curso internacional desta prática. O tema do exorcismo é muito explorado nos cinemas. Mas o que de fato é um exorcista e em que consiste sua missão? Um sacerdote italiano responde a todas essas questões em entrevista exclusiva à Sputnik.

    O número de italianos que se voltam à atividade exorcista está crescendo muito. De 16 a 21 de abril em Roma, o instituto papal Ateneo Pontifício Regina Apostolorum abriu um curso internacional sobre exorcismo e orações pela libertação, em que participarão especialistas de todo o mundo.

    Segundo Cesare Truqui, co-autor do livro "Professione esorcista" (Profissão exorcista, em português) e participante do futuro curso, o evento foi organizado em 2004 com apoio do Vaticano e tem por objetivo treinar sacerdotes exorcistas. Além de sacerdotes, do curso também participam psicólogos, psiquiatras, policiais, especialistas em direito e médicos.

    O ritual de exorcismo é um culto interno da Igreja Católica, introduzido do mesmo modo como os de batismo, de casamento ou missa, sendo consagrado no livro "De exorcismis et supplicationibus quibusdam" (Sobre exorcismo e algumas orações). O livro pode ser utilizado apenas por sacerdotes que obtiveram uma licença de seu bispo e caso tenha provas que uma pessoa está possuída, comenta Truqui.

    "No total, na Itália há cerca de 300 exorcistas, mas é errado limitar este conhecimento a 300 pessoas. Acho que todos os sacerdotes do mundo devem saber disso e, neste caso, as pessoas que pedem por ajuda, podem receber a resposta exata: recorrer a um exorcista ou psicólogo", opinou o interlocutor da Sputnik Itália.

    Cesare Truqui deu também alguns conselhos para distinguir uma pessoa em possessão demoníaca de uma pessoa doente. Em particular, é preciso verificar se a pessoa tem traços de possessão, se fala algum idioma morto ou desconhecido, se possui conhecimentos antigos ou ocultos. Outro sinal de possessão, segundo Truqui, é a rejeição de símbolos sagrados pela pessoa.

    Além disso, um padre deve saber psicologia e ouvir atentamente a seu paciente sem o interromper para entender se ele na verdade entrou em contato com um espírito, se ocorreu uma prática de magia ou satanismo.

    O sacerdote lembra sua primeira cerimônia de exorcismo, quando ouviu pela primeira vez a voz do demônio.

    "Esta experiência ficará com você por toda a vida. Muitos anos podem passar, mas quando você ouvir de novo a voz do demônio, imediatamente a reconhece. O exorcista se acostuma a coisas que parecem incríveis para outras pessoas", desabafou.

    De acordo com Truqui, não se sabe quantos italianos estão de fato possuídos. A recente estatística mostra que quase meio milhão de italianos recorreram ao serviço de exorcistas. De 100% das pessoas que pedem ajuda, apenas 3% precisam dela de verdade, comenta o sacerdote.

    No momento, ele afirma estar trabalhando apenas com 4 pessoas com este problema, então faz a conclusão que poucas pessoas estão de fato em possessão do mal.

    Mais:

    Papa Francisco: 'fake news' começaram com a serpente que enganou Adão e Eva
    Qual era a aparência de Jesus? Novo estudo 'redesenha' fundador do Cristianismo (FOTOS)
    Tags:
    rito, demônios, exorcismo, religião, Vaticano, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik