15:59 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Abelhas no colmeal na região de Amur, Rússia

    Ataque de abelhas estraga procissão fúnebre na Índia, causando vários feridos

    © Sputnik / Igor Ageyenko
    Mundo insólito
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Mais de 30 pessoas foram internadas na Índia após abelhas de uma colmeia localizada nas proximidades, voassem sobre uma procissão fúnebre.

    Abelhas possuem uma força incrível que deve ser levada em conta. No ano passado, a Força Aérea dos EUA não atreveu a se aproximar de um caça F-22 Raptor durante o dia inteiro, depois que um enxame de abelhas resolveu pousar neste. Não é de surpreender que as abelhas causassem problemas para civis indianos desarmados, durante o velório.

    Dezenas de pessoas ficaram feridas após um enxame realizar um ataque coordenado contra civis durante um funeral em uma aldeia indiana. O ataque aéreo foi tão feroz que as pessoas em luto tiveram que correr do "campo de batalha", deixando o falecido, informou o jornal The Times of India.

    No entanto, os civis não recuaram e voltaram com sacos e cobertores. Eles conseguiram resgatar o corpo de uma maneira professional e segura, transportando-o para uma zona protegida, onde os rituais funerários foram concluídos operativamente.

    De acordo com as informações, o local do velório foi atraído pelas abelhas por causa da fumaça produzida por incensos que os civis carregavam. Aparentemente, a "unidade de força aérea", localizada nas proximidades, sentiu-se ameaçada pela invasão de um inimigo e decidiu efetuar um ataque.

    Segundo os dados, os participantes do funeral sofreram danos graves, alguns deles até foram internados em um hospital local. O "agressor" não comentou nem pediu desculpa oficial pelo incidente.

    Mais:

    Planeta cheio de mistérios: ufólogos detectam espaçonave extraterrestre em Marte (VÍDEO)
    'Criatura branca' muito esquisita é encontrada na costa do Alasca (VÍDEO)
    Tags:
    hospital, vítima, funeral, ataque, abelhas, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar