14:38 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bundestag, sede do parlamento alemão

    Deputado alemão indica papel crucial da Rússia em evitar corrida armamentista nuclear

    CC BY 2.0 / Hernán Piñera
    Mundo
    URL curta
    340
    Nos siga no

    O deputado alemão Jurgen Trittin declarou que o mundo está à beira de uma corrida armamentista nuclear, mas isso pode ser evitado se os países construírem melhores relações com a Rússia.

    Em um artigo para o jornal Frankfurter Rundschau, o deputado do Bundestag (parlamento alemão) observou que os países europeus estão reagindo incorretamente à ameaça de uma nova corrida armamentista e estão tentando culpar a Rússia por tudo.

    "Apontar apenas para a Rússia, como o ministro alemão das Relações Exteriores Heiko Maas está fazendo, não vai ajudar. O mais provável é que dobrar os gastos militares, como [Angela] Merkel prometeu em Munique com o apoio do ministro das Finanças Olaf Scholz, estimule a corrida armamentista", escreveu Trittin.

    Além disso, ele ressaltou que os Estados Unidos continuam destruindo os acordos internacionais. Depois de deixar o acordo climático de Paris, o acordo nuclear iraniano e a UNESCO, os Estados Unidos anunciaram o abandono do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), colocando o mundo em um perigo ainda maior.

    "As ações da atual administração dos EUA caracterizam-se pela caótica destrutividade de Donald Trump e a agressão neoconservadora de [Mike] Pence e [John] Bolton. Essa é uma mistura tóxica que representa uma ameaça à segurança europeia", acrescentou o político.

    Assim, Trittin acredita que a Europa deve oferecer sua própria solução para o problema, aprofundando as relações com a Rússia, bem como recusando-se a implantar o sistema de defesa antimísseis dos EUA em seu território.

    "A segurança na Europa só é possível com a Rússia. A Aliança Atlântica deve não apenas propor a retirada das armas nucleares táticas da Europa, mas também abandonar o sistema americano de defesa antimíssil se a Rússia também estiver pronta para desarmar. Seria um acordo baseado em interesses mútuos: a Europa reduz a ameaça nuclear à sua segurança, e a Federação da Rússia — a ameaça à sua economia", concluiu.

    Em 2 de fevereiro, os EUA suspenderam suas obrigações quanto ao INF, assinado em 1987 com a então União Soviética, que proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres, convencionais ou nucleares, com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    Washington tem alegado que o alcance do míssil 9M729 russo viola os limites do tratado, mas Moscou nega estas alegações, enfatizando que elas são infundadas. Por seu turno, a Rússia apontou que os sistemas de defesa dos EUA na Europa estão equipados com lançadores capazes de disparar mísseis de cruzeiro a distâncias proibidas pelo Tratado INF.

    Mais:

    EUA violaram Tratado INF por anos, mas Rússia propõe manutenção do acordo, diz ministério
    Maioria na Rússia não crê em acusações dos EUA sobre violações do INF
    'Golpe sobre sistema de controle de armas': EUA notificam Rússia sobre saída do INF
    Defesa russa divulga FOTO de fábrica nos EUA de mísseis proibidos pelo Tratado INF
    Tags:
    relações bilaterais, defesa antimísseis, armas nucleares, corrida armamentista, segurança, Bundestag, Rússia, Alemanha, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar