03:50 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Embaixador russo para a ONU, Vassily Nebenzia, fala sobre o envenenamento dos Skripals no Reino Unido

    EUA pioraram a catástrofe humanitária na Síria, diz embaixador russo na ONU

    © REUTERS / Shannon Stapleton
    Mundo
    URL curta
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)
    330

    Os Estados Unidos e seus aliados estão piorando a situação humanitária drástica na Síria ao realizar ataques militares, disse o enviado russo à ONU, Vassily Nebenzia.

    A declaração foi feita durante a reunião deste sábado (14) do Conselho de Segurança da ONU, convocada pela Rússia para discutir a situação na Síria.

    "Através de suas ações, os Estados Unidos agravam uma situação humanitária já catastrófica na Síria e trazem sofrimento para os civis", afirmou Nebenzia, que continua: "Sua agressão é uma grande ameaça contra a possibilidade de continuar o processo político sob os auspícios da ONU".

    A Rússia fez todo o possível para convencer os Estados Unidos a se absterem de seus planos militares na Síria, afirmou o enviado russo à ONU. Para ele, apesar dos esforços de seu país, "Washington, Londres e Paris preferem desconsiderar os apelos ao senso comum".

    Nebenzia acrescentou que "as instalações científicas na Síria são usadas apenas para atividades pacíficas destinadas a aumentar a eficácia da atividade econômica na Síria".

    Tema:
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)

    Mais:

    Ataque na Síria foi realizado à noite para evitar vítimas civis, diz Exército francês
    Missão da OPAQ já está na Síria para apurar suposto ataque químico em Douma
    Pentágono não tem confirmação de vítimas civis em ataque à Síria
    Embaixador russo na ONU: Síria foi alvo de um 'ato de agressão'
    Pentágono: EUA dispararam 105 mísseis contra a Síria; 76 em área de pesquisa de Damasco
    Tags:
    Guerra da Síria, Conselho de Segurança da ONU, Vassily Nebenzia, França, Reino Unido, Síria, Estados Unidos, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik