12:32 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, no Parlamento de Israel.

    EUA revelam data da transferência de sua embaixada em Israel para Jerusalém

    © REUTERS/ Ariel Schalit/Pool
    Mundo
    URL curta
    220

    Em Israel, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmou que a embaixada de seu país irá para Jerusalém até o fim de 2019.

    No mês passado, Donald Trump rompeu um consenso diplomático de décadas ao reconhecer Jerusalém como capital de Israel e prometeu transferir a embaixada estadunidense para a cidade.

    Pence anunciou a data durante discurso no Parlamento de Israel e sua fala causou protestos de árabes presentes no local — que foram retirados à força.

    "Jerusalém é a capital de Israel — e, como tal, o presidente Trump ordenou o Departamento de Estado iniciar os preparativos iniciais para mudar nossa embaixada de Tel Aviv para Jerusalém", disse Pence antes de prometer que a transferência acontecerá "antes do final do próximo ano".

    O secretário-geral da Organização pela Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, afirmou que a fala de Pence "provou que a administração dos EUA é parte do problema e não a solução".

    Em entrevista com a agência de notícias Associated Press, Pence afirmou que Washington quer mediar a paz:

    "Nossa mensagem para o presidente [Mahmoud] Abbas e a Autoridade Palestiniana é: A porta está aberta. A porta está aberta. O presidente Trump está absolutamente empenhado em fazer tudo o que os Estados Unidos conseguem para alcançar um acordo de paz que acabe com décadas de conflito".

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, recebeu com gratidão seu convidado dos Estados Unidos. A vinda de Pence, entretanto, não foi vista com bons olhos por todos os políticos do Parlamento israelense.

    O árabe Ayman Odeh afirmou que não forneceria um "cenário silencioso" para um homem que ele chamou de "racista perigoso".

    Após ter seu discurso interrompido pelos protestos, Pence afirmou estar em uma posição de humildade por falar para uma "democracia vibrante".

    "Eu estou aqui para transmitir uma mensagem simples: a América está com Israel. Nós estamos com Israel porque sua causa é nossa causa, seus valores são nossos valores e sua luta é a nossa luta", afirmou o vice-presidente dos EUA.

    Pence afirmou que apoia uma solução de dois Estados — desde que Israel e Palestina concordem. O Governo do premiê de Israel, todavia, é dominado por políticos de linha dura que não aceitam o Estado palestino, o que deve dificultar o cenário abordado por Pence.

    Líderes palestinos afirmam que Washington perdeu sua capacidade de mediar conflitos no Oriente Médio.

    Conflito com a imprensa

    A Associação de Imprensa Estrangeira de Israel acusa o Governo do país de tentar intimidar a imprensa. Uma jornalista que cobria a visita de Pence foi revistada e a equipe de segurança do evento pediu que ela retirasse seu sutiã para uma inspeção. Diante de sua negativa, a jornalista foi barrada.

    De origem finlandesa, ela afirma que foi escolhida pelos serviço de segurança porque seu pai é palestino.

    Mais:

    Israel pede que Europa trabalhe com Trump para reformar acordo nuclear iraniano
    OLP não vai mais reconhecer Israel até o mesmo status ser concedido à Palestina
    Israel destrói túnel secreto do Hamas na fronteira com Faixa de Gaza
    Israel realiza novo ataque aéreo na Faixa de Gaza
    Rússia volta a criticar Israel por assentamentos em territórios palestinos
    Chefe do Mossad garante: Israel tem 'olhos e ouvidos' dentro do Irã
    Premiê de Israel: Irã pretende manter um exército de 100 mil xiitas na Síria
    Tags:
    OLP, Saeb Erekat, Mahmoud Abbas, Benjamin Netanyahu, Donald Trump, Mike Pence, Palestina, Estados Unidos, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik