23:58 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Imagem do Hwasong-14, míssil que a Coreia do Norte afirma ser de longo alcance (intercontinental), em teste realizado em 4 de julho de 2017

    EUA: Coreia do Norte pode alcançar Califórnia com seus mísseis

    © REUTERS / KCNA/via REUTERS
    Mundo
    URL curta
    792

    Desde fevereiro de 2017, Pyongyang realizou 22 lançamentos experimentais de seus mísseis, inclusivamente mísseis intercontinentais, que provavelmente são capazes de atingir o território dos EUA.

    Apesar de que a Coreia do Norte se encontra à distância de 10.300 km do território continental estadunidense, o chefe do Centro Nacional de Inteligência Aérea e Espacial (NASIC, National Air and Space Intelligence Center), coronel Sean Larkin, confirmou que todos os estados do seu país estão dentro do alcance dos mísseis norte-coreanos, sendo a Califórnia o estado mais próximo.

    No entanto, em declaração ao canal CBN News, Larkin assegurou que o NASIC efetua uma vigilância permanente dos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte para proteger os Estados Unidos.

    Assim, a equipe de especialistas analisa imagens obtidas por satélite para detectar quaisquer sinais de que Pyongyang está se preparando para usar armas desse tipo. A Coreia do Norte tem capacidade de equipar mísseis balísticos intercontinentais (ICBM), que possuem um alcance mínimo de 5.500 km, com cargas nucleares.

    Durante os teste de ICBM, os norte-coreanos demostraram que podem atingir qualquer estado norte-americano, assegurou Larkin.

    A tensão entre Pyongyang e Washington aumentou depois das manobras conjuntas da Coreia do Sul e EUA para treinar um ataque contra Coreia do Norte em caso de guerra. A Coreia do Norte se sentiu ameaçada e passou a aumentar seu potencial de mísseis e nuclear.

    Além disso, no sábado passado (28), o secretário de Defesa norte-americano, James Mattis, advertiu Pyongyang de que "qualquer ataque contra os Estados Unidos ou nossos aliados, e qualquer uso de armas nucleares por parte da Coreia do Norte, terá uma resposta militar massiva".

    Mais:

    É preciso fazer pressão na Coreia do Norte, diz OTAN
    China e Coreia do Sul ensaiam reaproximação diplomática
    'Vamos todos morrer': EUA avaliam baixas em uma possível guerra com Coreia do Norte
    Mídia: há motivos para Rússia, China e Coreia do Norte recearem bombardeiro B-21 dos EUA
    Provocação dos EUA: avião com 'radar de ataque' voa perto da Coreia do Norte
    Surpresa nuclear: líder da Coreia do Norte quer tornar as 'mulheres mais bonitas'
    Tags:
    satélites, vigilância, inteligência, estados, testes balísticos, lançamento, icbm, programa de mísseis balísticos, programa nuclear, Pyongyang, Califórnia, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar