11:48 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Caça norte-americana F-15 Eagle

    Piloto que derrubou drone sírio avança detalhes do incidente aéreo

    CC0 / U.S. Department of Defense Current Photos / F-15 Eagle
    Mundo
    URL curta
    8232036

    Força Aérea dos EUA receava a reação por parte do caça Su-27 russo quando abateu um drone sírio pertencente às forças governamentais, informou o jornal Aviation Week, citando o piloto Jeremy Renken.

    O incidente ocorreu em 8 de junho perto da povoação de Al Tanf, no sul da Síria. Segundo a coalizão internacional liderada pelos EUA, um drone das forças governamentais sírias foi abatido após ter tentado atacar forças da oposição síria apoiada pela coalizão.

    Segundo Jeremy Renken, ele e seu colega, ambos pilotando caças F-15 E, vigiaram durante quase meia hora o drone Shahed 129, de origem iraquiana, que se aproximou das forças da coalizão e estava equipado com mísseis do tipo ar-terra.

    Mais tarde, foi informado que as forças terrestres da coalizão tinham sido atacadas, enquanto ao drone já faltava um dos mísseis.

    Primeiro, os militares norte-americanos tentaram bloquear o aparelho com meios eletrônicos, mas não deu certo.

    No entanto, o piloto norte-americano hesitou em abrir fogo imediatamente contra o veículo. Pois por perto havia dois caças russos Su-27, tão perto que ele podia ver suas insígnias de nacionalidade, segundo o Aviation Week. O piloto receava que, caso ele lançasse um ataque contra o drone, os caças poderiam considerar este como um ataque contra eles, explica o jornal.

    "Tínhamos certeza que eles [Su-27] tinham mísseis do tipo ar-ar. Se eles quisessem se envolver no conflito, poderiam tê-lo feito", conta Jeremy Renken.

    Segundo o piloto, ele esperou que o drone se distanciasse dos aviões russos e só depois disparou um míssil AIM-120C. Este incidente, sublinha o piloto, mostrou a falta de poder dos pilotos para tomar decisões rápidas em condições de mudanças bruscas de situação na Síria.

    Uns dias depois, um avião da coalizão abateu um Su-22 da Força Aérea da Síria, e depois mais um drone. Nestes casos as decisões foram tomadas em apenas alguns minutos.

    Depois disso, o Ministério da Defesa da Rússia suspendeu sua cooperação com a coalizão internacional, advertindo que quaisquer meios aéreos da coalizão internacional nas regiões do espaço aéreo sírio onde a aviação russa efetua suas missões de combate "serão acompanhados pelos meios aéreos e terrestres de defesa antiaérea russos e considerados como alvos aéreos".

    Após junho passado, não têm sido reportados quaisquer outros incidentes entre aviões da coalizão e das forças russas ou sírias.

    Mais:

    'Ao perderem na Síria, EUA terão Rússia como alvo mais do que nunca'
    CIA retira suas forças do sudeste da Síria
    Tags:
    incidente aéreo, ataque aéreo, drone, F-15E, Su-22, Ministério da Defesa Russo, Rússia, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik