09:39 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    USS Carl Vinson, foto de arquivo

    Assim seria um confronto entre porta-aviões americanos e chineses

    © AP Photo / Kin Cheung
    Mundo
    URL curta
    224214

    A edição digital americana Business Insider analisou como se poderia desenvolver um possível conflito armado entre porta-aviões dos Estados Unidos e da China.

    Não é nenhum segredo que as tensões entre os dois países referentes ao mar do Sul da China e Taiwan estão aumentando, aponta o Business Insider.

    Nesse contexto, vale recordar as declarações do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, sugerindo a possibilidade de um bloqueio – o que pode ser considerado um ato de guerra contra o país asiático.

    Em caso de conflito, os Estados Unidos podem ter vantagem no que se refere ao poderio naval, de acordo com a Business Insider. No entanto, a China possui recursos terrestres suficientes na região para compensar essa diferença.

    O conflito começaria provavelmente com um "erro inocente" durante uma operação de salvaguarda da liberdade de navegação conduzida pela Marinha dos EUA, como o destacamento previsto do porta-aviões USS Carl Vinson, que se está dirigindo para o mar do Sul da China acompanhado por dois destróiers – o USS Wayne E. Meyer e o USS Michael Murphy, assim como o cruzador USS Lake Champlain.

    Por outro lado, a China tem seu porta-aviões Liaoning posicionado desde finais de 2016 no mar do Sul da China. O grupo naval do navio possui três destróiers lançadores de mísseis guiados, duas fragatas de mísseis guiados, uma corveta antissubmarino e um navio de suprimentos e logística.

    Se as forças entrassem em conflito, o lado americano desfrutaria de uma vantagem inicial apesar da superioridade numérica da China, destaca a Business Insider.

    Segundo o site, o Liaoning conta com um grupo aéreo embarcado de 13 caças J-15. Entretanto, esses aviões não podem voar com a capacidade máxima de armas e combustível devido ao sistema de aterrissagem e decolagem do porta-aviões, que não é totalmente compatível com as aeronaves.

    Por sua vez, os Estados Unidos dispõem de cerca de 34 caças F/A-18 Hornet, apoiados por quatro E-2C Hawkeye – um avião de alerta precoce e por alguns EA-18G Growler – uma aeronave adaptada para guerra eletrônica.

    Nesse cenário, as forças americanas provavelmente aniquilariam os chineses, caso eles possam contar na íntegra com todo seu poderio, sugere o Business Insider.

    Em teoria, os EUA poderiam sair vitoriosos ainda que perdessem alguns Hornets no combate. Porém, a força aérea americana teria logo que se retirar, pois os aviões e mísseis chineses das ilhas Spratly e Paracelso poderiam atacá-los em praticamente qualquer parte do mar do Sul da China.

    "O grupo naval [do USS Carl Vinson] simplesmente não tem o poder de fogo para tentar repelir os ataques desferidos das ilhas e dos recifes militarizados da China", destaca a Business Insider. "Não há nenhum lugar no mar do Sul da China por onde os americanos possam passar sem serem forçados a se defender", resume a edição.

    Mais:

    Novas sanções dos EUA buscam impedir investimento da China e da Rússia na Venezuela
    China espera que EUA levem a sério as operações navais depois do incidente
    China diz que usará todos os meios para defender interesses contra investigação dos EUA
    Tags:
    porta-aviões, confronto, 276 F/A-18 Hornet, Growler, USS Carl Vinson, Business Insider, Rex Tillerson, Ilhas Spratly, Mar da China Meridional, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik