11:18 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Refugiados sírios fazem ato pela paz em Belo Horizonte

    Refugiados sírios fazem ato pela paz em Belo Horizonte e recebem apoio do Papa Francisco

    Reprodução / Facebook
    Mundo
    URL curta
    1782

    Refugiados sírios fazem movimento "Paz na Síria" na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, com o objetivo de conscientizar o Brasil do que está acontecendo em seu país. O cônsul honorário da República Árabe da Síria conversou com a Sputnik Brasil sobre a motivação do evento e sobre a recepção mineira aos refugiados sírios.

    A cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais tem um sido uma das regiões mais procuradas no Brasil pelos refugiados da guerra na Síria para recomeçar suas vidas. De acordo com dados do Consulado da República Árabe da Síria, em Minas Gerais, há cerca de 200 refugiados sírios em Belo Horizonte e 187 sírios pediram refúgio à Polícia Federal em Minas Gerais, em 2016.

    Esses imigrantes de Belo Horizonte promoveram nesta terça-feira (15), na Praça da Liberdade, uma manifestação para pedir o fim da guerra civil no país árabe.

    Em entrevista exclusiva para a Sputnik Brasil, o cônsul honorário da República Árabe da Síria em Minas Gerais, Emir Cadar, disse que o protesto teve como objetivo chamar a atenção do mundo para o que está ocorrendo no país.

    "Este ato foi um ato com o fim exclusivo de pedir a paz na Síria […] fizemos um ato pedindo, inclusive a Deus, para que volte a paz na Síria. A mortandade lá está muito grande […] e nós não vemos ninguém fazer nada por isso", destacou o diplomata.

    Emir comentou a mensagem de apoio que o Papa Francisco enviou especialmente para essa manifestação em Belo Horizonte.

    "Logo que teve essa ideia de fazer essa manifestação, eu fiz uma carta à Sua Santidade, Papa Francisco, falando da nossa manifestação, e como ele era um homem que pregava a paz, um homem de paz, eu pedi para que ele mandasse alguma coisa para que fosse lida durante a manifestação. E três dias atrás nós recebemos uma carta dele abençoando a manifestação e as pessoas que lá estivessem, e foi muito bonito", conta. 

    Emir também comentou os motivos pelos quais Belo Horizonte é uma das cidades mais procuradas pelos refugiados. De acordo com o cônsul honorário, os refugiados que chegam ao Brasil vão para regiões onde já possuem parentes ou amigos. 

    "O belo-horizontino é por natureza muito receptivo e muito agradável pra quem vem de qualquer nacionalidade. Eles tão se sentindo muito bem aqui em Belo-Horizonte", disse.

    Emir não deixou de comentar também a questão do preconceito que ainda existe por algumas pessoas no Brasil, e analisou o caso que aconteceu também aqui no Rio de Janeiro, com o vendedor sírio Mohamed Ali, que foi hostilizado por um ambulante, em Copacabana, no início do mês de agosto. 

    "O caso que aconteceu no Rio foi muito doloroso. Eu vou dizer que aqui em Belo Horizonte não tem chance de acontecer. Eu acho que aquela pessoa que fez aquela agressão na hora não deve ser uma pessoa equilibrada", lamentou. 

    Ele também aproveitou para comentar que na época dos Jogos Olímpicos foi chamado pela Polícia para falar sobre possíveis ameaças terroristas no Brasil.

    "Na época das Olimpíadas, eu fui chamado pela Polícia Federal, pelo Exército, por todos os órgãos oficiais para uma reunião na qual eu fiz a apresentação. Eles tinham medo de que pudesse fazer algum ato terrorista nas Olimpíadas. E eu garanti a eles que os que estão em Belo Horizonte, os que eu conheço pessoalmente, um por um, não precisavam nunca nem se preocupar", completou. 

    Mais:

    Refugiados sírios são obrigados por turcos a usarem lingerie para cruzar fronteira (FOTOS)
    Vídeo mostra soldados turcos espancando refugiados sírios [IMAGENS FORTES]
    Famílias de terroristas e refugiados sírios convivem lado a lado em Mossul
    Mesmo com violência, Brasil é visto como um lar por sírios refugiados da guerra
    Tags:
    solidariedade, manifestação, refugiados, Minas Gerais, Belo Horizonte, Síria, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik