15:38 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    491
    Nos siga no

    O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realizou na quinta-feira (3) uma remodelação do governo por causa do baixo ranking do último. No entanto, novos ministros continuarão seguindo curso de estreitamento das relações com a Rússia, afirmou cientista político.

    Como resultado da remodelação, foram substituídos inclusive os ministros das Relações Exteriores e da Defesa do país.

    O premiê japonês tomou a decisão por causa do baixo ranking do governo em meio a vários escândalos envolvendo ministros do país, incluindo o próprio Abe. Mais cedo foi demitida a ministra da Defesa, Tomomi Inada, que supostamente participava de uma conspiração para esconder documentos secretos sobre um tiroteio no Sudão do Sul quando lá permaneciam pacificadores japoneses.

    No entanto, Shinzo Abe, não substituiu o ministro da Economia, Comércio e Indústria, que também é responsável pela cooperação econômica com a Rússia.

    Comentando a decisão do premiê japonês, o diretor do Centro de Estudos Japoneses da Academia de Ciências da Rússia, Valery Kirsanov, afirmou que com remodelação Abe pretende manter o mesmo curso nas relações com Moscou.

    "O fato de Hiroshige Seko [ministro da Economia, Comércio e Indústria] ter sido mantido em seu posto significa que o anterior curso político de Abe, que visa desenvolver relações com a Rússia, continuará inabalável", disse.

    De acordo com o especialista, "o curso visa resolver o problema territorial, isto é, devolver todas as ilhas [quatro ilhas que fazem parte das disputadas Ilhas Curilas]". Valery Kirsanov também acrescentou que para isso o Japão continuará promovendo cooperação econômica com a Rússia nas Ilhas em questão.

    O único obstáculo para aproximar ainda mais o Japão da Rússia, segundo o especialista, pode ser "o fator de Trump" e os EUA.

    "A única coisa que pode prejudicar [o curso de Abe] é o fator de Trump e os EUA, pois Trump pode expressar descontentamento com a aproximação do Japão com a Rússia, já que ele mesmo está pressionando a Rússia de todos os pontos", concluiu.

    ​Historicamente, as Ilhas Curilas têm sido alvo de disputa territorial entre a Rússia e o Japão. Os japoneses reivindicam as ilhas de Kunashir, Iturup, Shikotan e o grupo de ilhéus Habomai. A disputa territorial impediu a assinatura de um tratado de paz entre a Rússia e o Japão após a Segunda Guerra Mundial.

    Mais:

    Japão equipará caças F-2 com mísseis antinavio supersônicos de fabricação própria
    Será o Japão capaz de conter ataque nuclear da Coreia do Norte?
    Tags:
    cooperação econômica, aproximação, relações bilaterais, Tomomi Inada, Shinzo Abe, Sudão do Sul, Ilhas Curilas, Japão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar