05:15 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Fundador do Wikileaks, Julian Assange, na varanda da Embaixada do Equador. 20 de dezembro, 2012.

    Faz 5 anos que fundador do WikiLeaks está 'retido' na embaixada equatoriana em Londres

    © REUTERS/ Luke MacGregor/files
    Mundo
    URL curta
    134511

    Nesta segunda-feira (19), fará cinco anos que o criador do site WikiLeaks, Julian Assange, recebeu asilo político na Embaixada do Equador na capital britânica, evitando, deste modo, sua extradição e detenção.

    No verão de 2010, na Suécia começou um processo judicial contra Assange, iniciado pela demanda de duas mulheres por assédio sexual. O fundador do WikiLeaks negou seu envolvimento nestes crimes, insistindo que todos os contatos se tinham dado com consentimento mútuo, enquanto as mulheres apresentaram queixa "por vingança e sob pressão policial".

    Já depois, as forças de segurança suecas emitiram um mandado de captura contra o ativista.

    Consequentemente, em 2012, o fundador do projeto revolucionário WikiLeaks se dirigiu às autoridades equatorianas com um pedido de asilo político, por medo de ser extraditado aos EUA devido às suas atividades de vazamento de informações. A Embaixada equatoriana em Londres lhe garantiu asilo por prazo indeterminado, em 19 de junho de 2012, no seu edifício que se encontra no bairro elegante de Knightsbridge, na capital britânica.

    Em 19 de maio do ano corrente, o Ministério Público sueco suspendeu o processo judicial contra Assange. No entanto, a polícia de Londres afirmou que, caso saia da Embaixada, ele será detido. O motivo para isso será o mandado que continua vigente, tendo sido emitido pelo Tribunal de Magistrados de Westminster após Assange se ter recusado entregar às autoridades judiciais em 29 de junho de 2012.

    Ao longo dos cinco anos que Assange tem estado na Embaixada equatoriana, o ativista nunca saiu à rua, exceto os vários casos em que discursou da sua varanda perante a mídia. Porém, o fundador do WikiLeaks nunca parou de trabalhar, de publicar matérias novas da organização e de comunicar com seus apoiadores.

    Além disso, se destaca que Assange faz os depoimentos às autoridades judiciais sem sair do edifício. Os advogados e partidários do ativista expressam preocupação pela sua saúde, que ficou significativamente abalada devido à falta de ar fresco, passeios e luz solar.

    Mais:

    Wikileaks: Washington sabia que Qatar e Arábia Saudita apoiam terrorismo
    WikiLeaks revela novos documentos secretos da CIA e busca gravações do ex-diretor do FBI
    WikiLeaks: Obama interferiu na corrida eleitoral francesa
    Tags:
    vazamento, extradição, WikiLeaks, Julian Assange, Suécia, EUA, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik