07:49 26 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Rússia e da China

    Opinião: China e Rússia não cederam à ordem mundial imposta pelos EUA

    © flickr.com/ Mark Turner
    Mundo
    URL curta
    24542

    Qualquer nação que tenta escapar da ordem mundial imposta pelos EUA estará desafiando a hegemonia norte-americana. A opinião é do professor de antropologia da Universidade Cabrillo da Califónia, Dennis Etler.

    O secretário de Defesa, James Mattis, havia alertado que a Rússia e a China estão enfrentando o domínio militar dos EUA graças aos seus avanços tecnológicos e que isso está colocando em perigo a ordem mundial imposta por Washington. 

    Em pronunciamento à Comissão das Forças Armadas da Câmara dos Representantes dos EUA, Mattis anunciou "a volta a uma luta de poder marcada por uma resurgente e agressiva Rússia e uma China mais segura de si mesma e que está começando a se levantar". Ele afirmou que isso põe em xeque a ordem mundial. 

    De acordo com Etler, "o agressivo imprerialismo dos EUA tem sido mais forte do que o demonstrado na intervenção pública do seu secretário de guerra". 

    O especialista afirma que "qualquer nação que procura proteger a sua soberania e desenvolver uma defesa credível por terra, mar e ar contra a agressão Estados Unidos é vista como uma ameaça".

    "São os EUA e seus aliados que impõem sanções e embargos, desestabilizam nações, financiam revoluções e fazem intervenções militares para garantir o controle da ordem mundial, não a Rússia ou a China", disse Dennis Etler em entrevista à Press TV.

    "São os EUA que desafiam outras nações no seu próprio território, não a Rússia ou a China", completa o antropólogo.

    Mais:

    Rússia: decisão de Trump sobre Cuba é parte da política 'imprevisível' dos EUA
    Rússia vs EUA: o que aconteceria se se enfrentassem os 2 melhores submarinos do mundo?
    Rússia: extensão das sanções dos EUA não ficará sem resposta
    Amizade depois de mais sanções: EUA embrulharam-se nas relações com a Rússia
    Tags:
    ordem mundial, relações, soberania, ameaça, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik